segunda-feira, 4 de julho de 2016

Denúncia: Atendentes da Oi causaram prejuízo milionário à operadora

O que você achou? 
Funcionários presenteavam amigos e parentes com valores exorbitantes de bônus por quase nada de recarga. Veja como o esquema funcionava.


A Oi está passando por uma grave crise financeira, com dívidas que chegam aos R$ 56 bilhões (ou US$ 17,3 bilhões), mais do que o Produto Interno Bruto (PIB) da Jamaica, um país com quase 3 milhões de habitantes. Não teve jeito. Sem ter como pagar tanto dinheiro a credores, a Oi solicitou socorro ao governo, em 20 de junho, por meio de um pedido de recuperação judicial.

O Minha Operadora mostrou aqui que centenas de funcionários de uma das maiores companhias de telecomunicações do Brasil demonstraram apoio nas redes sociais utilizando a hashtag #SomosTodosOi. São pessoas que acreditam que a empresa não vai falir, irá conseguir se recuperar e sair dessa turbulência mais forte. Mas não são todos os trabalhadores que se mostram preocupados com a saúde do caixa da empresa.

Mordomia: Falando à vontade sem pagar quase nada

Entre o ano de 2013 e início de 2015, uma fraude milionária ocorreu nos sistemas da Oi. Alguns atendentes das centrais de atendimento da operadora descobriram uma técnica que os possibilitavam ativar planos de telefonia que funcionavam praticamente sem custo e ativar recargas em celulares com cobrança na conta de clientes residenciais, que nada sabiam do que estava acontecendo.

Este usuário não realizou nenhuma recarga e mesmo
assim tem mais de R$ 181 mil em saldo de bônus.
O ponto-chave dos funcionários desonestos que participaram do esquema foi uma brecha no sistema do plano Oi Controle Sem Fatura. Por não possuir conta telefônica, o plano funciona mediante débito automático no cartão de crédito. Caso o débito não fosse autorizado, o cliente deveria realizar uma recarga no mesmo valor da mensalidade do plano para receber os benefícios da oferta contratada. É aí que entrava a fraude!

Funcionários de Tecnologia da Informação (TI) da Oi e operadores de telemarketing contratados pela empresa Contax, que presta serviço para a operadora, conseguiam modificar no sistema o valor da recarga necessária para obter bônus ilimitado para falar entre números de celular da Oi e telefones fixos: R$ 1 (um real). Colocando apenas 1 real de crédito, o sistema falho entendia que deveria conceder a bonificação de voz ilimitada para determinado usuário.


Dados obtidos com exclusividade pelo Minha Operadora revelam que 143 mil linhas de celular foram "beneficiadas" indevidamente com a fraude num período aproximado de dois anos, o que causou um prejuízo de mais de R$ 4,2 milhões aos cofres da Oi. A fonte não nos revelou, no entanto, se ainda existem pessoas que usufruem da rede da operadora indevidamente.

Recarga Automática na conta do telefone fixo

Aqui, outro cliente com bônus estratosférico:
mais de R$ 483 mil acumulados.
Além do roubo sistemático, clientes de telefonia fixa da empresa foram surpreendidos com cadastros fantasmas. É que, novamente, funcionários da Oi cadastravam seus próprios números móveis, de familiares e amigos no serviço "Recarga Automática", debitando um valor que variava entre R$ 1 e R$ 10 na conta telefônica de um usuário que sequer conheciam, em troca de bônus de até R$ 10 mil no celular do beneficiário.

Procuramos algum cliente inocente que tivesse sido prejudicado pela fraude, e encontramos a senhora Teresa Cristina, de Taquaratinga do Norte (PE). Ela nos contou que, no início, pensou que a taxa cobrada era a de instalação da linha telefônica. "Quando eu vi na conta os R$ 10, pensei que fosse a taxa pra colocar o telefone, que tinham me dito que era de graça. Fiquei chateada, claro, mas deixei pra lá. Quando meu filho viu depois, me disse 'mamãe, de quem é esse número de celular aqui na conta?', e eu lá sabia", conta dona Teresa.

Por telefone, Teresa nos disse ainda que o seu filho mais novo, Jerfferson, de 16 anos, ainda ligou para o número da linha, quando um homem desconhecido atendeu. Irritado, o filho de dona Teresa perguntou o que o número daquele homem estava fazendo na conta da mãe dele, quando o rapaz do outro lado da linha ainda quis estar na razão: "mandou Jerfferson procurar a Justiça e desligou o celular".

A Oi enfrenta outros processos em tribunais de várias partes do país por conta de cobranças indevidas. Muitas vezes cobranças causadas propositadamente por funcionários da empresa, como a que acabamos de citar, e não por mero erro de sistema.

Resposta da companhia

Procurada pelo Minha Operadora para esclarecer a denúncia que recebemos, a Oi negou que as fraudes citadas na reportagem tenham relação (direta ou indireta) com o prejuízo financeiro que a empresa passa no momento. Por meio de nota, "A Oi informa que dispõe de ferramentas de controle para evitar ativações indevidas, assim como um rígido monitoramento contra possíveis fraudes, que impede prejuízos para a empresa."

Apesar disso, a assessoria da Oi admite que lida com casos de golpistas todos os dias. Por isso, disse que possui uma equipe preparada para "que quaisquer desvios de conduta [sejam] prontamente averiguados pela empresa em defesa do interesse do cliente e da qualidade do atendimento e dos serviços prestados".

A operadora reforça ainda que se um colaborador honesto ou mesmo um cliente descobrir que existem pessoas agindo de má-fé, denuncie: "A companhia recebe denúncias através do canal de atendimento 0800 282 5531", concluiu a Oi.

Leia também:


5 comentários:

  1. Pow, fraude milionária para falar de OI para OI??? Se estão de sacanagem neh!

    ResponderExcluir
  2. Cadê as fontes da notícia? assim é fácil inventar...

    ResponderExcluir
  3. essa fraudes na oi são muito antigas lembro que tinha pessoas vendendo velox de 1 mb e vc pagava 300kbps

    ResponderExcluir
  4. Já ouvi falar desses "bonus ilimitados infinitos", mas nao sabia que eram ilicitos... Causaram prejuizo de milhoes a Oi, ja que ninguem tinha que colocar recarga. Meu Oi é pós pago desde 2013, nunca tive controle, mas o plano controle atual é bem atrativo.

    ResponderExcluir
  5. Houve sim é má gestão, é o trabalho terceirizado que não da valor ao trabalhador.

    ResponderExcluir