24/02/2024

Ministro das Comunicações ‘mudou de cor’ na eleição e queria privatizar os Correios

Juscelino Filho, novo ministro das Comunicações, nomeado por Lula, junta algumas polêmicas em pouco tempo de mandato.

O novo ministro das Comunicações, Juscelino Filho (União Brasil – MA), “virou pardo” durante as eleições de 2022. O médico e Deputado disputou o pleito deste ano e mudou sua autodeclaração de etnia. 

Juscelino Filho, Ministro das Comunicações, ao lado de Lula

Durante as eleições dos anos 2014 e 2018 o deputado e ministro se declarou à Justiça Eleitoral como sendo branco. Porém, neste ano “mudou de cor” e passou a se declarar como pardo. 

Na última eleição houve cota de incentivo a participação de pessoas negras 

Durante as eleições de 2022 houve um incentivo para que pessoas negras pudessem se candidatar e consequentemente ocupar mais cargos públicos. Por isso aconteceu certo movimento de troca étnica por parte de muitos políticos, incluindo o novo ministro das comunicações. 

Essa medida foi aprovada pelo Supremo Tribunal Federal, o STF, e determinou que fossem considerados o dobro de votos datos para os candidatos negros para distribuição fincanceira do Fundo Partidário e FEFC – Fundo Especial de Financiamento de Campanha.

Porém, como muitos políticos começaram a mudar de cor justamente nesta época, o debate popular começou sobre a pauta. 

A cor parda faz parte da etnia negra, seguindo o modelo de autodeclaração racial do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas, que é o mesmo seguido pela Justiça Eleitoral. 

O que disse o ministro 

A pauta acima foi mencionada pelo site Metrópoles. Eles afirmam ter procurado Juscelino Filho para se manifestar sobre essa mudança étnica, porém não houve respostas até então. 

Outra polêmica 

Questão sobre privatização de empresas estatais também é outra polêmica Além dessa caso sobre cor e etnia, o novo ministro tem que lidar com suas decisões no passado e como lidar com isso hoje. . 

Assim que foi empossado o presidente Lula da Silva (PT) revogou o processo de desestatização dos Correios e outras instituições. Porém, em 2021, quando a gestão do ex-presidente Jair Messias Bolsonaro propôs a privatização, Juscelino Filho apoiou. 

Atualmente ele afirma que vai apoiar a decisão do novo presidente e que vai trabalhar para recuperar a imagem e credibilidade dos serviços postais. Além disso afirmou também:

“Decidida e anunciada pelo presidente Lula, a retirada dos Correios do Plano Nacional de Desestatização, a intenção e a meta é reforçar o papel da empresa na oferta de cidadania, como parceira dos programas sociais destinados à população carente e das regiões mais distantes através de sua incomparável capilaridade.”

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários