Algar Telecom reduz emissão de CO2 após adotar medidas sustentáveis

Considerando as emissões totais, a Algar Telecom conseguiu diminuir a emissão de dióxido de carbono em 53,4%.

Após começar a investir em práticas sustentáveis, a Algar Telecom, operadora mineira de telecomunicações, começou a colher neste semestre os resultados positivos da adesão de práticas que priorizam o meio-ambiente. Em junho deste ano, a empresa alcançou a meta de ter sua matriz energética 100% renovável com a instalação de usinas fotovoltaicas próprias, polos que oferecem energia o suficiente para atender a demanda da companhia.

Para acelerar digitalização, Algar Telecom fecha parceria com a Accenture

De acordo com um relatório publicado na última quarta-feira (20), em 2021 a tele conseguiu reduzir a emissão de gases do efeito estufa por meio de decisões que compõem a agenda ambiental que será seguida nos próximos meses.

Segundo os números, no último ano o processo produtivo da Algar emitiu cerca de 1.089,6 mil toneladas de dióxido de carbono equivalente (CO2e), representando uma redução considerável se comparado com a quantidade emitida em 2019, ano em que o total de gases emitidos na atmosfera chegou a 1.145 toneladas.

Em paralelo a isso, o número de emissões totais no mesmo período também apresentou saldo positivo ao contrapormos com anos anteriores. Neste ponto, a empresa de telecom obteve uma redução de 53,4% na emissão de CO2e, representando uma queda de 1.685 toneladas entre 2020 e 2021.

Foco em sustentabilidade

Além da Algar Telecom, outras operadoras brasileiras também adotaram medidas que visam incentivar a sustentabilidade. A Vivo, por exemplo, começou a transformar uniformes antigos de seus colaboradores em ecobags, bolsa cujo processo de fabricação utiliza materiais reciclados.

Em março deste ano, a Vivo divulgou ao mercado a redução de emissão direta de CO2 em 2021 através de medidas que contribuíram para a otimização de insumos que mantêm sua operação e estruturas técnicas, como maior eficiência na frota de veículos e nas recargas de gases refrigerantes em equipamentos de ar condicionado.

É evidente que grandes empresas estão empenhadas em proporcionar um futuro verde nos próximos anos, no entanto, ainda há um longo caminho a ser perseguido.

Lucas Ribeiro
Lucas Ribeiro
Jornalista há quatro anos, trabalho com revisão de textos e elaboração de pautas sobre telefonia móvel/telecomunicações no geral. Como lema, compartilho a ideia de Álvaro Borba, que diz: “Não importa o que eu acho, importa o que eu sei, e o que sei são os fatos”.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários
0
O que você acha? Comente!x