TIM e Oi rebatem o posicionamento do MPF sobre a venda da Oi Móvel

Ambas operadoras responderam a recomendação que o Ministério Público Federal deu ao Cade para barrar a transação; entenda o caso.

As operadoras TIM e Oi se manifestaram sobre o posicionamento do Ministério Público Federal (MPF), que fez a recomendação ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) de não autorizar a venda da Oi Móvel para as três empresas envolvidas no processo.

A transação prevê que a TIM, Vivo e Claro adquiram a telefonia celular da Oi. Segundo o MPF, o negócio viola a concorrência e impede que um quarto player se instale no mercado brasileiro.

Nesta segunda-feira (7), a TIM rebateu as acusações do MPF, já que a operação teria sido pensada para preservar todo o sistema de telecomunicações no Brasil.

“Nesse processo da compra, nunca existiu nenhum consórcio, mas três operações distintas de ativos colocados à venda em função de uma recuperação judicial acompanhada por todas as autoridades competentes, inclusive o MP estadual”, afirmou a operadora.

Além disso, a TIM ainda aponta que a venda da unidade móvel da Oi torna possível um projeto de rede neutra nacional em fibra, capaz de fortalecer o setor. “Uma saída desordenada da Oi móvel do mercado terá consequências caóticas para todo o sistema de telecomunicações, com impactos negativos para a competição, o consumidor e o avanço digital do país“.

LEIA TAMBÉM:

–> MPF recomenda que o Cade não aprove a venda da Oi Móvel

–> Copel Telecom pede que Anatel anule a aprovação da venda da Oi Móvel

–> Reuniões que decidiram a venda da Oi Móvel serão anuladas pela Anatel

Posição da Oi

Também por meio de nota, a empresa afirmou que “o memorial apresentado pelo representante do Ministério Público Federal junto ao CADE não considera a importância da operação para a recuperação econômica do Grupo Oi”.

A Oi ainda disse que

“A manifestação do representante do MP junto ao CADE não representa qualquer tipo de decisão sobre o caso, que permanece em discussão e análise pelo colegiado do órgão, e reitera que tem confiança na correta avaliação e decisões finais sobre a operação.”

Além disso, a operadora que se encontra em recuperação judicial, sustenta que a transação reforça a competição entre a Vivo, TIM e Claro, e “que as medidas impostas pela anuência prévia da Anatel serão suficientes para mitigar qualquer preocupação concorrencial”.

Cleane Lima
Cleane Lima
Jornalista, Comunicóloga, Repórter e Redatora há mais de 3 anos, com experiência na produção e revisão de conteúdo para internet. Adora escrever sobre qualquer assunto. "Palavras são, na minha humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia". Alvo Dumbledore. E-mail para contato: [email protected]

2 COMENTÁRIOS

Acompanhar esta matéria
Notificação de
2 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários
2
0
O que você acha? Comente!x