24/09/2021
InícioEconomia e NegóciosBolsonaro edita MP que atrasa repasse de R$ 3,5 bilhões para alunos

Bolsonaro edita MP que atrasa repasse de R$ 3,5 bilhões para alunos

Legislação previa a oferta de internet para estudantes e professores da rede pública.

Bolsonaro edita MP que atrasa repasse de R$ 3,5 bilhões para alunos
Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Na última semana, o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) editou a medida provisória nº 1060/2021, no qual altera a Lei nº 14.172/2021, que prevê o repasse de R$ 3,5 bilhões para garantir o acesso à internet a alunos e professores da rede pública de ensino.

Na nova MP, Bolsonaro retirou o trecho da legislação que previa o repasse da verba em um prazo de até 30 dias (que deveria ter sido feito no início do mês de julho). Também foi removida a previsão do pagamento em uma única parcela. Com isso, não há uma previsão de quando a verba será enviada aos estados.

A medida vai além e retira o prazo de 31 de dezembro de 2021, para que os estados e o Distrito Federal utilizem os recursos para a finalidade educacional, caso contrário, terão que devolver o dinheiro aos cofres da União. No novo texto também é garantido ao Poder Executivo Federal a responsabilidade de disciplinar os prazos e formas de repasse, assim como a prestação de contas.

A novela em torno dessa lei vem se arrastando desde o ano passado, quando foi proposta para ajudar os alunos no ensino remoto durante o período de pandemia. Inicialmente, Bolsonaro havia vetado a legislação aprovada no Congresso Nacional, alegando que a proposta criava uma despesa pública sem estimar qual seria o impacto orçamentário e financeiro.

VEJA TAMBÉM:

–> Bolsonaro aciona STF para barrar lei que leva internet para estudantes

–> Após Bolsonaro tentar barrar internet para alunos, deputados se revoltam

–> Governo entrega menos da metade dos chips previstos a alunos de baixa renda

O veto foi derrubado pelo Congresso, e foi aprovado um novo texto, desta vez estipulando o valor de R$ 3,5 bilhões. Porém, o presidente da República acionou o Supremo Tribunal Federal (STF), alegando que a lei não respeitou o devido processo legislativo, o teto de gastos e as condições fiscais previstas nas ações do governo para o combate da pandemia.

Em resposta, o STF aceitou prorrogar por 25 dias o prazo para liberação de R$ 3,5 bilhões. A matéria é considerada complexa e será analisada pelo ministro-relator Dias Toffoli.

Dessa forma, atuando em duas frentes, Bolsonaro tenta atrasar o repasse, que tem como fonte o Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust). Vale lembrar que a medida provisória precisa ser aprovada pelo Congresso, que já derrubou todos os vetos enviados pelo presidente sobre o tema.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
CONTEUDO RELACIONADO

3 COMENTÁRIOS

Acompanhar esta matéria
Notificação de
3 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários

MAIS POPULARES