InícioTV por AssinaturaAssistir uma hora de streaming gera 55 gramas de CO2 na atmosfera

Assistir uma hora de streaming gera 55 gramas de CO2 na atmosfera

Dispositivo utilizado pelo consumidor é responsável por mais de 50% da emissão de dióxido de carbono.

Assistir uma hora de streaming gera 55 gramas de CO2 na atmosfera

De acordo com um novo estudo independente feito por pesquisadores da “Carbon Trust”, e divulgado pela Netflix, a pegada de carbono média de alguém assistindo uma hora de conteúdo em vídeo via streaming na Europa é de aproximadamente 55 gramas de dióxido de carbono equivalente (gCO2e).

Isso equivale a colocar quatro sacos de pipoca para estourar no micro-ondas ou utilizar três vezes uma chaleira elétrica no Reino Unido.

A nova pesquisa reduz consideravelmente as estimativas anteriores que calculavam 3200 gCO2e por hora de streaming, o que equivale a estourar 200 sacos de pipoca no micro-ondas.

O cálculo não é simples, pois deve levar em consideração desde o consumo dos centros de armazenamento de dados, passando pela infraestrutura que leva a internet até a casa do consumidor, além da energia elétrica para ligar a TV e outros dispositivos.


VEJA TAMBÉM:

–> Vivo pretende reciclar 1,5 milhão de aparelhos de banda larga e TV

–> Operadoras se unem para criar ‘selo verde’ para celulares

–> TIM usa energia solar para levar 4G para áreas sem cobertura

O novo estudo foi baseado em pesquisas realizadas na Universidade de Bristol, no Reino Unido.

Demorou dez anos para os pesquisadores desenvolverem uma ferramenta para calcular a pegada de carbono do streaming, utilizando os protocolos científicos mais modernos para medir as emissões.

A pesquisa também apontou que ajustar a resolução da imagem, para o 4K, por exemplo, gera uma diferença muito pequena na emissão de CO2, sendo de pouco menos de 1 gCO2e/hora para pouco mais de 1 gCO2e/hora.

A explicação é que a internet está “sempre ligada”, então a mudança na resolução é quase irrelevante na emissão de dióxido de carbono.

Outro ponto levantado pelo estudo é que, apesar do aumento no uso da internet nos últimos anos, o consumo de energia está caindo ao longo do tempo.

Isso ocorre porque os provedores de internet, energia elétrica e centros de dados tem trocado constantemente equipamentos pelas versões mais eficientes, podendo atender uma demanda maior, sem necessariamente aumentar o consumo energético.

Além disso, o dispositivo utilizado pelo consumidor (TV, computador, smartphone ou tablet) é responsável por mais de 50% na emissão de carbono no acesso aos conteúdos streaming.

“A Netflix e outras empresas têm utilizado essa calculadora como parte do DIMPACT, um projeto colaborativo que reúne empresas de entretenimento e mídia e pesquisadores da Universidade de Bristol. A Netflix recentemente analisou seus próprios dados usando essa ferramenta e descobriu que as emissões de uma hora de streaming em todo o mundo estão bem abaixo de 100gCO2e, menos do que dirigir um veículo movido a gás por 400 metros”, afirmou a Netflix em comunicado.

Segundo a gigante do streaming, a emissão de carbono em regiões como Estados Unidos, Canadá, América Latina e Ásia-Pacífico é um pouco mais alto que os números da Europa, onde a rede de energia emite menos CO2.

“Ao compreender melhor essa pegada de carbono, poderemos focar mais na redução dessas emissões em todos os setores, em todos os países, em todo o mundo”, finaliza a empresa.

Recentemente, a Netflix anunciou que pretende zerar as emissões de gases poluentes até o final de 2022.

Com informações de Assessoria de Imprensa Netflix.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários