Xiaomi abandona de vez a lista de empresas proibidas dos EUA

Anúncio encerra em definitivo o imbróglio que se iniciou em janeiro deste ano.

A Xiaomi anunciou hoje, 26, que não faz mais parte em definitivo da lista de empresas proibidas dos Estados Unidos, o que impedia a compra ou manutenção de títulos da companhia chinesa pelos estadunidenses.

Assim ela deixa de ser considerada uma “empresa militar comunista chinesa” para o país ao norte. Desde o início do ano a designação havia sido aplicada no apagar das luzes do governo de Donald Trump.

Recentemente, Departamento de Defesa dos EUA e a fabricante asiática entraram em um acordo para sair de vez da lista de bloqueios. O que faltava para selar o entendimento era enviar um ofício ao tribunal que julgava o caso.

Nesta terça-feira, 25, o Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito de Columbia deu a ordem final para anular a designação e livrar a fabricante chinesa das restrições.

VEJA TAMBÉM:

–> Xiaomi sai da lista de empresas proibidas dos Estados Unidos

–> Smartphone Xiaomi Mi 10 resiste após ser esmagado por um ônibus

–> Xiaomi quer começar a fazer ‘carros elétricos’

Agora os norte-americanos podem comprar e manter ações da Xiaomi. A empresa agradeceu o apoio recebido de colaboradores, acionistas, usuários e parceiros, destacando que é uma empresa transparente e de capital aberto.

Disse ainda que opera de modo independente e que vai continuar a oferecer produtos que sejam confiáveis e com preços acessíveis para que “todos no mundo desfrutem de uma vida melhor através de tecnologias inovadoras”.

Relembre o caso

O episódio de hoje é o desdobramento final de algo que teve início no mês de janeiro deste ano, quando os Estados Unidos incluíram a Xiaomi e outras empresas em uma lista de bloqueios.

Quem fazia parte dela era considerada como uma empresa “militar comunista chinesa”. De imediato, a Xiaomi negou a designação dada pelo Departamento de Defesa e afirmou que era uma empresa independente.

A partir daí, a dona das marcas Redmi e Poco entrou com um processo contra o governo norte-americano no dia seguinte.

Para a fabricante, a ação das autoridades “foi factualmente incorreta e privou a empresa de devido processo legal”, de acordo com comunicado expedido à época.

Já em março, a Xiaomi conseguiu reverter as sanções com uma liminar judicial. Agora em maio, a fabricante e o Departamento de Defesa dos EUA selaram um acordo.

Com informações de Tecnoblog

Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários