Vivo Fibra bate recorde de adições e fatura R$ 1 bilhão no 1º trimestre

Resultado foi comemorado por executivos, que têm boas expectativas sobre a continuidade do crescimento com o lançamento da Fibrasil.

Fibrasil: Fundo do Canadá compra de 50% da empresa de fibra da Vivo

A operadora Vivo superou o próprio recorde de adições trimestrais de clientes de banda larga por fibra óptica (FTTH) nos primeiros três meses deste ano.

O feito do conglomerado espanhol foi celebrado por executivos durante teleconferência de resultados realizada na manhã desta quarta-feira, 12.

De acordo com Christian Gebara, CEO da Vivo, 368 mil clientes foram adicionados à base FTTH, o que representa um salto de 1,5x em relação ao último semestre de 2020 e 2,1x sobre o primeiro semestre do ano passado.

Para Davi Melcon, CFO da Vivo, o resultado pode ser creditado aos investimentos realizados na expansão da rede de banda larga da operadora.

Até o final de março deste ano, a Vivo tinha 16,3 milhões de casas aptas a assinar o FTTH da empresa, o que se traduz numa alta de 4,6% em relação ao mesmo período de 2020.

VEJA TAMBÉM:

–> Fibrasil entra em operação no segundo semestre, diz Vivo

–> Fibrasil: Fundo do Canadá compra 50% da empresa de fibra da Vivo

–> Cidade de Minas Gerais ganha fibra óptica da Vivo

Os executivos da Vivo disseram ainda que as ofertas combinadas com empresas fornecedoras de conteúdo e as velocidades de 300 Mbps disponibilizadas pela tele foram características que atraíram os consumidores.

Um terço das adições registradas contrataram esta velocidade ou vinham acompanhadas de uma assinatura do Disney+ ou Netflix, por exemplo.

A receita por usuário, diante desse crescimento na base de clientes, teve um aumento de 16,2% e saltou dos R$ 82 no primeiro trimestre do ano passado para R$ 95 no mesmo período deste ano.

Com isso, a receita obtida a partir de clientes FTTH da companhia subiu de R$ 626 milhões no começo de 2020 para R$ 1 bilhão agora, ou seja, um aumento de 9,3% na receita total da operadora.

As expectativas para o segundo semestre deste ano são de continuidade neste crescimento, em especial a partir do lançamento comercial da Fibrasil, uma joint venture de rede neutra da qual o conglomerado espanhol faz parte.

A Fibrasil aguarda apenas o sinal verde da Anatel, após ter sido autorizada pelo Cade.

Com informações de Telesíntese

Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários