InícioSegurança DigitalVeja quanto seus dados vazados valem no submundo da internet

Veja quanto seus dados vazados valem no submundo da internet

São recorrentes notícias sobre roubo de dados, mas o que acontece com eles depois?

Os últimos 12 meses foram recheados de notícias sobre vazamentos e roubo de dados tanto no Brasil quanto no mundo. Alguns por aqui envolveram 100 milhões, 112 milhões, 223 milhões de pessoas.

É comum que notícias sobre casos assim foquem em quanta gente teve os dados vazados, como o vazamento ocorreu e o impacto legal disso. Mas o que acontece com os dados roubados nesses casos?

De acordo com o The Next Web (TNW), na maioria das situações, tudo que é vazado acaba tendo como destino a venda das informações para gerar uns trocados.

Segundo informações do relatório anual da operadora estadunidense Verizon sobre roubo de dados, 86% são motivados pelo dinheiro que as informações conseguidas indevidamente podem render.


VEJA TAMBÉM:

–> Ransomware que paralisou oleoduto nos EUA prejudicou também empresas brasileiras

–> Média de ataques hacker a empresas brasileiras já é maior do que a global

–> Dados pessoais de clientes da SKY vazam na internet

Os dados roubados acabam sendo vendidos na dark web, o submundo da internet, um lugar inacessível com navegadores comuns. Se você já ouviu falar no Tor, é através dele que se acessa as páginas da dark web.

Cinco reais

Agora sobre quanto seus detalhes roubados valem: informações que permitem identificar um indivíduo são vendidas por entre US$ 1 a US$ 4. Um pacote com milhões de e-mails sai por US$ 10.

Pelo submundo da rede mundial também é possível encontrar bancos de dados com informações de eleitores (de outros países) que estão à venda por US$ 100. Tudo a alguns bitcoins de distância.

Quem compra essas informações usa para muitos fins, de acordo com o TNW. Por exemplo, números de cartão de crédito e códigos de segurança servem para clonar os cartões originais.

Assim é possível fazer compras fraudulentas com ele. Informações como endereços, números de CPF, nomes completos, datas de aniversário e afins podem ser usadas em roubo de identidade.

Alguém pode dar entrada em um empréstimo no nome da vítima e não pagar as parcelas. Esses detalhes sobre alguém são os favoritos e mais visados por hackers por serem os mais fáceis de se vender.

Como se proteger

O primeiro passo é saber se suas informações caíram em algum vazamento. Alguns sites que podem te alertar sobre isso são o Firefox Monitor e o IntelligenceX.

No caso específico do Brasil, é mais provável que você fique sabendo de algum leak por meio do noticiário, inclusive através do Minha Operadora.

Em vazamentos recentes, alguns sites surgiram para ajudar a esclarecer as pessoas sobre se tiveram os dados roubados. Porém a iniciativa foi mal recebida pelas autoridades e os sites foram desativados.

Estando ciente de que pode ter sido vítima de algum vazamento, você deve mudar as senhas usadas em suas contas.

Caso suspeite de alguma movimentação estranha nas suas contas bancárias ou cartões de crédito, entre em contato com o banco imediatamente para que as providências sejam tomadas.

Ainda que não seja exatamente a mesma coisa, também tome cuidado com engenharia social, onde um número de telefone basta para dar início a uma tentativa de golpe para extrair dinheiro dos contatos da vítima.

Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários