Após polêmica do WhatsApp, procura pelo Telegram e Signal dispara

Facebook adiou por 90 dias o bloqueio de usuários no famoso aplicativo de mensagens.

Após polêmica do WhatsApp, procura pelo Telegram e Signal dispara

A nova política de privacidade do WhatsApp, que prevê o compartilhamento de dados dos usuários com o Facebook, tem gerado uma onda de migração para aplicativos rivais.

De acordo com a consultoria Sensor Tower, que monitora as lojas de aplicativos, o número de downloads do Telegram nos primeiros quatro meses deste ano subiu 98% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Ao todo, foram mais de 161 milhões de downloads do Telegram.

Em janeiro passado, quando foram anunciadas as novas regras do WhatsApp, o Telegram chegou a ter um aumento de 283% na comparação anual, atingindo 63,5 milhões de download.

VEJA TAMBÉM:

–> Alemanha pede suspensão da nova política de privacidade do WhatsApp

–> Facebook vai remunerar bancos para popularizar WhatsApp Pay no Brasil

–> Defensoria Pública entra no jogo para impedir novas regras do WhatsApp

Já no Signal, o crescimento foi muito maior, de 1.192% nos primeiros quatro meses deste ano, somando 64,6 milhões de downloads.

O pico de janeiro atingiu 5.001%, principalmente após o bilionário Elon Musk sugerir no Twitter a migração para o Signal.

Já o WhatsApp registrou uma queda nos quatro meses de 43% no número de download.

Mesmo assim, o famoso aplicativo de mensagens ainda supera os concorrentes, com 172,3 milhões de novas instalações.

Na última sexta-feira, 14 de maio, o Facebook assumiu o compromisso de não bloquear o acesso ao aplicativo de mensagens a nenhum usuário no Brasil que não aceitar as novas regras nos 90 dias posteriores ao último dia 15 de maio.

Neste período, o Facebook diz que pretende manter o diálogo e responder a todos os questionamentos feitos pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), pelo Ministério Público Federal (MPF), pela Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) e pela Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon).

As entidades ressaltam que as novas regras representam violações aos direitos dos consumidores e gera potenciais efeitos negativos sobre a concorrência.

Com informações de Cade e UOL.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
4 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários