Hacker anuncia venda de dados de 174 milhões de clientes da Vivo, Claro e TIM

Operadoras já são investigadas por suposto incidente de segurança ocorrido em fevereiro.

Hacker anuncia venda de dados de 174 milhões de clientes da Vivo, Claro e TIM

No último domingo, 4 de março, um hacker publicou um anúncio na internet no qual vende os dados de 174 milhões de pessoas, como sendo supostamente de clientes das operadoras Vivo, TIM e Claro.

Segundo o cibercriminoso, os interessados podem comprar 104,6 milhões de registros da Vivo, 48,7 milhões da Claro e 21,0 milhões da TIM.

A base de dados é de 10,2GB e contém informações como o nome da pessoa, CPF, números de telefone, e-mail, endereço, data de instalação do serviço de telecom, entre outros.

De porte desses dados, uma empresa pode enviar publicidades segmentadas para os usuários expostos.

VIU ISSO?

–> Polícia Federal prende hacker envolvido em megavazamento de dados

–> Mais um! Novo vazamento expõe dados de 112 milhões de brasileiros

–> Vivo, Claro, TIM e Oi negam vazamento de dados de clientes

Além disso, criminosos podem utilizar os dados das vítimas para comprar produtos e contratar serviços em nome delas.

O preço não foi revelado, apenas um endereço de e-mail para que os interessados possam negociar a compra dos dados.

O hacker também publicou uma amostra com 30 registros, sendo dez de cada operadora.

A denúncia foi feita pelo site “Ciso Advisor”, focado em segurança digital.

O Minha Operadora tentou contato com as três operadoras, mas até o fechamento desta matéria não recebeu retorno.

A matéria será atualizada caso um posicionamento seja emitido pelas mesmas.

Vazamento anterior

Em fevereiro passado, a empresa de segurança PSafe fez o alerta de que os dados de 102,8 milhões de linhas de celular estavam à venda na “dark web” – sites e fóruns da internet que não são rastreados pelos mecanismos de busca, com o Google.

Segundo o hacker, a base contem dados de 57,2 milhões de usuários da Vivo e de 45,6 milhões da Claro.

Na época, as duas operadoras disseram não ter conhecimento de qualquer incidente de segurança.

O mesmo foi dito pelas empresas TIM e Oi.

A Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), o Procon do Estado de São Paulo e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) investigam o caso.

“Abrimos um processo administrativo para averiguar os fatos. Estamos apurando com as empresas”, disse Gustavo Santana Borges, superintendente de controle de operações da Anatel.

Com informações de Ciso Advisor.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários