Golaço? Disney+ terá filmes de outros estúdios (mas ficará atrás da Netflix)

Negociação, muito provavelmente, é uma resposta para a iniciativa da Netflix, que também garantiu mais produções licenciadas.

Imagem Ilustrativa: Catálogo do Disney+
Imagem Ilustrativa: Catálogo do Disney+

A guerra das plataformas de streaming fica cada vez mais acirrada, especialmente entre os “gigantes” do mercado.

Dessa vez, a novidade é que o Disney+ negociou a entrada de filmes de outros estúdios em seu catálogo.

Mais precisamente os filmes da Sony, que comanda a Columbia Pictures. Mas a empresa não acabou de negociar exclusivamente com a Netflix?

Sim e isso significa que a Disney ficará atrás da sua principal concorrente com esse fornecimento.

VIU ISSO?

–> Conheça o possível catálogo do STAR+, novo streaming da Disney

–> Netflix e Disney+ disputam espaço com lançamentos

–> Reviravolta: Netflix faz acordo e deve reverter evasão no catálogo

Ou seja, a Netflix terá o direito de exibir as produções de sua nova parceira comercial, após os mesmos serem transmitidos nos cinemas.

A Disney poderá colocar “suas mãos” nas obras 18 meses depois delas terem sido incluídas no catálogo da “pioneira do streaming”.

Por sinal, será um complemento interessante para o Disney+, que poderá completar a franquia da Marvel Studios, inteiramente disponível em seu acervo, já que os filmes do Homem-Aranha finalmente estarão disponíveis.

O personagem, criado pela editora Marvel de quadrinhos, foi vendido para a Sony antes mesmo da editora se tornar um estúdio de cinema comprado pela Disney.

Com isso, os direitos do personagem permanecem no controle do estúdio concorrente, mas a versão atual faz parte do universo cinematográfico da Marvel em celebração a um acordo de parceria entre Sony e Disney.

A primeira cede seu personagem para os filmes da concorrência (como Vingadores) e a segunda fica responsável pelo controle criativo da franquia do herói.

Não é surpreendente observar que a Sony tenha se tornado um objeto de desejo das empresas de streaming.

A companhia é um dos poucos estúdios de Hollywood que sequer cogitaram a criação de uma plataforma própria de streaming.

Um movimento que pode ter sido estratégico para surfar nas infinitas possibilidades de vender conteúdo, com tantos players no mercado.

Com informações de UOL

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários