Entenda como a Apple justificou a retirada dos carregadores no iPhone 12

Empresa finalmente apresentou números e informações sobre como será o impacto da decisão, que gerou controvérsia e multa no Brasil.

Imagem de divulgação do iPhone 12 mini
Imagem: Divulgação Apple

A polêmica decisão da Apple de retirar os carregadores (também entendidos como adaptadores de energia) do iPhone finalmente teve os primeiros resultados divulgados.

A gigante eternizada pelo símbolo da maçã montou um relatório ambiental, no qual conseguiu justificar melhor a sua iniciativa.

De início, obviamente, a ação gerou olhares controversos de especialistas e fãs.

Muitos julgavam que a empresa, já conhecida por cobrar altos valores em seus produtos, buscava mais uma forma de cobrar muito e oferecer ainda menos.

VIU ISSO?

–> Multa brasileira à Apple gera repercussão internacional

–> Deputado quer obrigar Apple a incluir carregador na caixa de iPhone

–> Após Apple e Samsung, celulares da Huawei podem não vir com carregador na caixa

Um movimento que transforma o dispositivo como um ‘produto de grife’.

Portanto, é possível afirmar que a justificativa inicial de gerar menos impactos ambientais não convenceu tão bem.

É por isso que a companhia preparou o “Relatório de Progresso Ambiental”, com números e argumentos mais sólidos a respeito do verdadeiro impacto gerado pela iniciativa.

A informação mais expressiva é de que a empresa vai economizar 861.000 toneladas de cobre, zinco e estanho.

É uma medida que também favoreceu a distribuição do aparelho, pois a embalagem é menor.

Com isso, cada envio consegue transportar 70% a mais do que antes, quando a caixa contabilizava o adaptador de energia.

Quem comprar um iPhone 12 atualmente recebe apenas o cabo USB para carregar em algum dispositivo ou tomada com adaptador.

Quem comprar ou já estiver com um adaptador de energia poderá apenas conectar.

No mais, a empresa mostrou dados que mostram um uso ainda maior de objetos reciclados na produção.

A ideia é travar uma luta contra as mudanças climáticas e ser uma aliada das questões ambientais. Há uma meta de ser neutra em carbono até 2030 em todas as unidades.

Só no ano passado, a empresa alega que conseguiu reduzir emissões de CO² de 25,1 milhões de toneladas para 22,6 milhões. A energia também caiu para 13,9 milhões de kWh.

Com informações de Engadget

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
3 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários