Anatel deve manter o cronograma do leilão 5G, mesmo com piora da pandemia

Afirmação foi feita pelo do superintendente substituto da agência reguladora, durante seminário virtual promovido pela Thales Group.

Tela exibindo a palavra 5G.
Imagem ilustrativa.

O superintendente substituto de planejamento e regulamentação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Felipe Roberto de Lima, disse que a piora da pandemia no país não irá alterar o cronograma de realização do leilão do 5G.

A declaração de Lima aconteceu nesta quarta-feira, 14, durante um seminário virtual promovido pelo Thales Group, conglomerado francês que comercializa sistemas de informação e serviços para as indústrias aeroespacial, de defesa e de segurança.

O evento serviu para discutir possíveis impactos e vantagens da implantação da tecnologia de quinta geração no país.

Lima disse ainda que a agência reguladora espera que a pandemia não tenha um impacto a ponto de exigir mudanças no cronograma.

Ele ainda afirmou que a Anatel vem trabalhando intensamente, mesmo que praticamente toda a equipe esteja atuando de forma remota, para que o leilão seja realizado ainda neste semestre.

VIU ISSO?

–> Leilão 5G pode ser R$ 12 bilhões mais caro do que o esperado

–> Anatel lança página sobre o leilão e a tecnologia 5G

–> Edital do 5G pode ficar pronto apenas em agosto, diz Leonardo Euler

Ainda de acordo com o superintendente substituto da Anatel, com a perspectiva de superação da crise sanitária, o compromisso de implementar a rede 5G nas capitais e no Distrito Federal deve ser cumprido dentro da data prevista que é de 31 de julho de 2022.

Lima também comentou sobre uma possível restrição, por parte do governo federal, da participação da empresa chinesa Huawei no leilão do 5G no Brasil e disse que a Anatel não trabalha com essa possibilidade.

‘Hoje temos um arcabouço tanto da Anatel quanto de outros órgãos envolvidos muito bem estabelecido com relação à segurança cibernética. A Anatel tem historicamente seus parâmetros relacionados à certificação. Temos trabalhado com esse cenário de múltiplos players fornecendo essa infraestrutura”, afirmou Lima.

Por fim, o superintendente substituto disse que a agência reguladora não encontrou falhas de segurança nos equipamentos chineses.

Além de Lima, os executivos das áreas de proteção de dados, conectividade móvel e marketing da Thales também participaram do encontro virtual.

Com informações de Valor Econômico.

Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários