Congresso derruba veto de Bolsonaro e destrava internet em escolas

Nova lei do Fust garante conectividade para todos os alunos do ensino público até 2024.

Imagem: Pablo Valadares/Agência Câmara

Nesta quarta-feira, 17 de março, o Congresso Nacional derrubou todos os vetos do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), à lei 14.109/2020, que libera o uso Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) para outras aplicações que não eram originalmente contempladas.

Um dos pontos mais polêmicos da nova lei foi o veto à proposta do uso dos recursos do fundo para financiar a oferta banda larga para todas as escolas públicas até 2024.

Apesar de reconhecer a boa intenção da proposta, o presidente a vetou com o argumento que a nova lei não estipulava uma estimativa do impacto orçamentário e financeiro do projeto.

Entretanto, logo após a decisão de Bolsonaro, deputados e senadores já ventilavam a possibilidade de derrubada de veto.

VIU ISSO?

–> MCom quer usar Fust para levar conectividade para áreas rurais

–> Brasil passa a integrar programa internacional de inclusão digital

–> MCom doa computadores usados para escolas e assentamentos rurais

O Fust tem recursos gerados a partir da cobrança mensal de 1% sobre as receitas dos serviços prestados pelas empresas de telecomunicações.

A ideia inicial do fundo era utilizar o dinheiro arrecadado para expandir a telefonia fixa no país.

Entretanto, a maior parte dos mais de R$ 20 bilhões acumulados nas últimas duas décadas ainda não foram utilizados.

A nova lei do Fust foi publicada em dezembro do ano passado e tramitou durante 13 anos no Congresso.

Com a derrubada dos vetos pelos deputados e senadores, a lei segue para promulgação e retoma a obrigação de levar conectividade para todas as escolas até 2024.

Além do Fust, o Congresso também derrubou outros vetos de Bolsonaro em diversos projetos de lei, como o que concede indenização a profissionais da linha de frente no combate à Covid-19, o uso dos recursos do Programa Federal de Pagamento por Serviços Ambientais (PFPSA) pelo Ibama, pagamento de precatórios federais a professores durante a pandemia, entre outros.

Com informações de Teletime e Agência Câmara.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários