Mais uma vez, proposta do 5G fica para ‘depois’

COMPARTILHAR:

Votação foi adiada pela Anatel, mas há uma expectativa de que a pauta consiga caminhar ainda em fevereiro.

Ilustração Pixabay
Imagem: Ilustração Pixabay

Um novo balde de água fria foi jogado na pauta do 5G, já que a Anatel realizou um novo adiamento para votar a proposta do edital que vai nortear o leilão das frequências.

Quem pediu vista foi o presidente da agência, Leonardo Euler de Morais, mas prometeu entregar seu voto até o dia 27 de fevereiro.

Entre os destaques do edital, está o uso da faixa de 3,5 GHz, que será destinada na totalidade para as operadoras, mas terá algumas exigências inesperadas para as teles.

Uma delas é a construção de redes inteiramente novas, apenas para o 5G. Uma diretriz que terá um custo relevante para as empresas de telefonia móvel, que pretendiam usar as do 4G para pegar leve com os investimentos.

VIU ISSO?

–> MCom publica nova portaria sobre o 5G e gera polêmica

–> Vivo considera como ‘razoável’ proposta de edital do 5G

–> Baigorri propõe a migração da TV via satélite para a Banda Ku

Por sinal, para explorar o 3,5 GHz, será necessário migrar os canais de TV transmitidos via parabólica.

As operadoras, por meio do Conexis, já haviam apresentado uma solução de mitigação, com uso de filtros, mas os cursos da migração são semelhantes.

No entanto, o que muitos querem saber envolve a chinesa Huawei, uma das principais fornecedoras de equipamentos para a nova tecnologia no mundo inteiro.

O edital não proíbe a atuação da marca. Só quem pode vetar é o presidente Jair Bolsonaro, que ainda não assinou nenhum decreto e sequer sinalizou se vai.

Obviamente, as operadoras terão obrigações. Uma delas é garantir a cobertura de 95% dos municípios sem 4G, caso comprem lotes em 2,3 GHz. Redes de fibra óptica também serão prioridade nos municípios não atendidos.

Todas as empresas terão também que fornecer roaming por todo o país. Isso significa que em um local sem rede da Claro, por exemplo, os clientes poderão ser atendidos pelo sinal da TIM ou outra concorrente.

Veja mais detalhes sobre as propostas do edital:

Com informações de ISTOÉ Dinheiro

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
2 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários