Operadoras chinesas são expulsas da Bolsa de Nova York

Pressão sobre a China aumentou nos meses finais do governo de Donald Trump.

Crédito da imagem: Kristen Visbal

Em mais um capítulo da crescente guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, a Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) anunciou nesta quinta-feira, 31 de dezembro, que iniciou o processo de cancelamento das ações das operadoras China Mobile (CHL), China Telecom (CHA) e China Unicom Hong Kong (CHU).

A ação atende a uma determinação do presidente Donald Trump de novembro passado, que proibia investimentos americanos em empresas da China que seriam propriedades ou controladas por militares.


Os EUA defendem a tese de que companhias chinesas têm sido utilizadas como instrumento de espionagem a serviço do governo de Pequim. As empresas negam.

A suspensão dos papéis na Bolsa de Nova York ocorrerá entre os dias 7 e 11 de janeiro de 2021.

VIU ISSO?

–> Huawei já conquistou 60% do mercado europeu de 5G

–> EUA devem gastar cerca de US$ 2 bilhões para se livrar da Huawei

–> Pressão dos EUA provoca cisão na Huawei

Boa parte da receita das três operadoras está concentrada na China, com as ações sendo pouco negociadas nos Estados Unidos.

Atualmente, mais de 200 empresas chinesas estão listadas no mercado de ações dos EUA, com uma capitalização total de US$ 2,2 trilhões (R$ 11,5 trilhões na cotação atual).

ECONOMIZE! 💰 Compare os planos das operadoras de celular e escolha o mais vantajoso para você.

Com informações de Sputinik.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
4 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários