Brasil é líder mundial em consumo de serviços IPTV pirata

Estudo aponta que sozinho, país supera regiões continentais inteiras no acesso a conteúdos ilegais.

De acordo com um estudo da empresa Nagra/Kudelski Group, o Brasil é o país que apresenta o maior consumo de conteúdo por meio de serviços ilegais de IPTV.

Para chegar a essa conclusão, a empresa escolheu aleatoriamente 4 milhões de usuários de IPTV pirata e descobriu que 648 mil deles eram brasileiros.


Sozinho, o Brasil supera o consumo de regiões que reúnem vários países, como o Norte da África (Argélia, Marrocos, Egito e Tunísia), o Oriente Médio (Irã e Arábia Saudita) e até Europa (França, Alemanha e Itália).

O serviço IPTV consiste no uso de aplicativos ou pequenas caixas que possibilitam o acesso a conteúdos pirateados de cinemas ou da TV Paga.

Geralmente, o consumidor paga comprando caixinhas conectadas à TV ou pagando uma assinatura mensal.

VIU ISSO?

–> Brasileiros estão recebendo cobranças por download ilegal de filmes

–> Justiça derruba rede IPTV pirata com 26 milhões de usuários

–> Brasil tira do ar 252 sites IPTV e 65 aplicativos streaming piratas

Segundo Tim Pearson, diretor sênior da Nagra, o uso de serviços piratas oferece grandes riscos e pouca recompensa.

ECONOMIZE! 💰 Compare os planos das operadoras de celular e escolha o mais vantajoso para você.

Além da possibilidade de o serviço ser retirado do ar a qualquer momento, os piratas trabalham em conjunto com hackers para o expor os usuários a softwares maliciosos, que coletam dados pessoais, aproveitam do dispositivo para minerar criptomoedas, entre outras atividades ilícitas.

“Há também a questão de um pirata usar o visualizador como bode expiatório para atividades ilegais por meio da conexão residencial de Internet do assinante”, alertou o executivo.

Com informações de Nagra e UOL.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
7 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários