Plataforma de streaming fracassa e anuncia ‘fim das atividades’

Serviço durou apenas seis meses e foi anunciado como uma verdadeira revolução no consumo via streaming pelo smartphone.

Anúncio do serviço de streaming Quibi
Imagem: Anúncio do serviço de streaming Quibi

Durou pouco! O serviço de streaming Quibi já entrou para a história como aquelas empresas que eram “grandes promessas”, mas não conquistaram o sucesso almejado e encerraram as atividades em pouco tempo.

Em 2019, a plataforma foi anunciada com grande alvoroço. A criação de Jeff Katzenberg, ex-presidente da Disney e da DreamWorks, atraiu diversos investidores e foi vendida como uma revolução.


A ideia era criar um serviço de vídeo sob demanda para agradar diretamente o público-alvo que consome conteúdo via smartphone.

Para isso, astros e grandes nomes de Hollywood foram contratados em produções exclusivas, adaptadas para a tela de um celular. A alternação entre vertical e horizontal, por exemplo, mostrava ângulos diferenciados de uma atração. Relembre abaixo:

Outro ponto crucial para caracterizar o estilo do serviço era a duração das produções, bem mais curtas, na média de 10 minutos por episódio de série.

Estrelas como Anna Kendrick, Liam Hemsworth, Sophie Turner e Kevin Hart foram alguns dos nomes que se envolveram nos títulos produzidos para a plataforma.

VIU ISSO?

–> Apple lança canal streaming de música gratuito

–> Decisão da Anatel pode transformar streaming e TV paga        

–> CNN Brasil terá serviço de streaming gratuito

A pandemia obviamente é vista como uma “vilã” nessa história, mas a empresa não a aponta como circunstância no comunicado que disparou. Pois os serviços concorrentes conseguiram obter sucesso mesmo em cenário pandêmico.

O investimento, que agora se tornará um prejuízo, foi de US$ 2 bilhões.

As séries originais produzidas serão negociadas com outras plataformas. Com o fracasso do Quibi, fica a reflexão: o mercado agora é somente das gigantes?

Ainda é uma questão complexa para esclarecer, mas o insucesso do serviço pode traduzir que o público se dá por satisfeito com o padrão convencional das produções, ou seja, não vê a menor necessidade em ter produtos audiovisuais adaptados para a era dos smartphones.

Com informações de Omelete

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
3 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários