InícioProjetos SociaisTIM pretende se tornar uma empresa carbono neutro até 2030

TIM pretende se tornar uma empresa carbono neutro até 2030

Atualmente, cerca de metade do consumo de energia da operadora é proveniente de fontes renováveis.

Nesta terça-feira, 30, a TIM divulgou o seu Relatório de Sustentabilidade 2019, documento que apresenta os principais indicadores e resultados da companhia relacionados a aspectos ambientais, sociais e de governança.

No documento, a operadora afirma que assumiu um compromisso em seu Plano Estratégico 2020-2022 relacionado ao uso mais eficiente da energia para o tráfego de dados, aumentando a sua eficiência em 75% até 2025.

No ano passado, cerca de 50% do consumo de energia da TIM era proveniente de fontes de energia renováveis. A ideia é expandir o uso para 60% até o final deste ano.

O objetivo de longo prazo da operadora é se tornar uma empresa carbono neutro até 2030, se alinhando com o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU), que visa tomar medidas para combater a mudanças climáticas e seus impactos.


A TIM tem se engajado na gestão ambiental, por meio da busca pela eficiência na uso de recursos, utilização de fontes renováveis, além de conformidade legal.

Entretanto, no ano passado, a empresa recebeu duas multas por não conformidade em leis e regulamentos ambientais, que totalizam R$ 1 milhão, além de 35 autos de infração sem penalidade financeira.

Segundo a TIM, em sua maioria, as multas e sanções ambientais são decorrentes da falta de licenciamento ambiental ou apresentação de documentos para obtenção de licenças. Em fevereiro de 2020, houve a suspensão parcial dessas multas.

VIU ISSO?

–> Ações da TIM podem ter alta de 52,5% no longo prazo

–> TIM promove ‘Ação Solidária’

–> Parceria entre TIM e Rede D’Or completa dois anos

Em 2019, a operadora operou com mais de 19 mil Estações Rádio Base (ERBs), sendo que, destas, 146 estão localizadas em áreas de preservação ambiental.

Os principais impactos mapeados nesses tipos de infraestrutura é a emissão de radiação não ionizante e a própria instalação das ERBs. Esses impactos têm sido monitorados por meio de controles internos da empresa.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários