Operadoras levam conectividade ao campo

Fazendas tem exigido novas tecnologias e serviços digitais para aumentar eficiência no agronegócio.

O desenvolvimento da agricultura de precisão tem mudado o cenário do agronegócio, aumentando a demanda por tecnologias digitais e melhor conectividade para garantir o tráfego de informações e produtividade no campo.

Hoje, as principais operadoras do país têm planos para não apenas levar conexão para as fazendas, mas oferecer outros serviços tecnológicos como cloud, gerenciamento de dados ou internet das coisas (IoT).


A Oi, por exemplo, aposta em conectividade na faixa de 450 MHz, o que permite cobertura em áreas mais amplas e com um custo mais atrativo. A ideia é oferecer redes privadas adaptadas às demandas de cada produtor rural.

A Vivo também aposta na frequência de 450 MHz, sendo integrada a um portfólio de soluções digitais. Recentemente, a companhia fez um aporte de R$ 500 mil em uma startup para oferecer soluções de telemetria para maquinário no campo.

VIU ISSO?

–> 5G deve chegar no campo apenas em 2028

–> ConectarAGRO vai conectar o campo brasileiro de forma definitiva

–> Operadoras brasileiras devem seguir caminhos diferentes com o 5G

Assim como a Vivo, a Claro também tem investido em cobertura 4G e em projetos de startups para fornecer novos serviços, como, por exemplo, acompanhar em tempo real o volume de grãos em silos.

Já na TIM, levar o 4G para o campo é um projeto desde 2018. A partir de uma parceria com a ConectarAGRO, a empresa tem operado na faixa de 700 MHz para oferecer conexão para dispositivos móveis e IoT. A meta da companhia é ter uma cobertura de 5 milhões de hectares até o final do ano.

Apesar dos investimentos das empresas, o SindiTelebrasil defende que o setor seria um ambiente mais atrativo financeiramente se os tributos e taxas fossem reduzidos.

“O que temos discutido para considerar nesse tipo de aplicação, que será intensivamente usada na área rural, é uma tributação zero de Fistel. É a grande reivindicação das empresas para impulsionar a oferta”, diz ele, referindo-se ao Fundo de Fiscalização das Telecomunicações” defende Sérgio Kern, diretor de assuntos regulatórios da entidade.

Com informações do Globo Rural.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, FAÇA LOGIN para comentar
  Acompanhar esta matéria  
Notificação de