Nova estratégia dos EUA pode barrar 5G da Huawei no Brasil

Rivalidade entre China e Estados Unidos parece longe de ter um fim; entenda o novo capítulo.

Ilustração 5G
Imagem: Manuel Geissinger (Pexels)

Mais uma vez, o Brasil deve se tornar palco da disputa entre China e Estados Unidos pela adoção do 5G. Dessa vez, os americanos querem competir com a iniciativa chinesa de investimentos “Cinturão e Rota” (Belt and Road).

Para isso, o governo do país lançou o programa “América Cresce” (Growth in the Americas) e quer o Brasil incluído. Se a parceria ocorrer, a Huawei pode ser impedida de participar do leilão 5G, previsto para meados de 2020.

A nova iniciativa americana foca em investimentos de infraestrutura e os setores de energia e telecomunicações são destaques, apesar de alguns detalhes ainda não terem sido divulgados.

O principal objetivo é ajudar países latino-americanos na atração de investimentos privados para os setores que são prioridade nas nações envolvidas. O governo americano vai disponibilizar recursos e assistência de suas agências.

VIU ISSO?

–> Brasil recebe alerta dos EUA sobre vulnerabilidade da Huawei

–> Guerra dos EUA contra Huawei pode beneficiar 5G no Brasil

–> Briga da Huawei com os EUA não preocupa a TIM

O Brasil parece inclinado para a proposta e deve assinar o memorando em breve, pois já teve até mesmo o parecer jurídico do Ministério da Economia. Países como Argentina, Chile, Jamaica e Panamá já embarcaram no programa.

A iniciativa americana pode ser a solução que o país tanto buscava para frear a China, que lidera a corrida na adoção do 5G e se destaca como a principal fornecedora de equipamentos, graças à atuação da Huawei.

Entretanto, as duas nações vivem uma guerra comercial. O governo americano, por exemplo, já baniu a gigante chinesa e a acusou de promover espionagens no país por meio de seus equipamentos tecnológicos.

O país nunca conseguiu provar as acusações e alguns analistas acreditam até mesmo que a adoção do 5G é um dos motivos para o embate, já que os Estados Unidos lideraram no 4G e não querem sair em desvantagem na geração seguinte.

Com informações de Folha de S.Paulo

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
4 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários