Brasil recebe alerta dos EUA sobre vulnerabilidade da Huawei

Fabricante é uma das principais fornecedoras de equipamentos para a adoção do 5G no mundo inteiro.

Antena 5G

As movimentações pelo 5G seguem a todo vapor, especialmente depois da visita do vice-presidente Hamilton Mourão à China. No retorno, ele confirmou que o Brasil não fará qualquer tipo de restrição ao uso dos equipamentos da Huawei na estrutura do 5G.

Entretanto, Willbur Ross, secretário de Comércio dos Estados Unidos, compartilhou sua preocupação com as autoridades brasileiras. Para ele, as possíveis vulnerabilidades do 5G podem afetar a segurança do país.


O secretário confirmou que o governo americano passou informações sigilosas aos representantes do Brasil para embasar o alerta a respeito da frágil segurança que pode surgir com a adoção da conectividade de quinta geração.

Trata-se de uma iniciativa dos EUA para alertar todos os países que são aliados. A interconectividade pode trazer o progresso, mas também uma série de vulnerabilidades e todos devem estar cientes disso.

VIU ISSO?
5G pode interferir nos sinais da TV aberta; Eutelsat sugere solução
5G pode ser o atestado de óbito da TV por assinatura; Entenda
Claro ainda não vê justificativas para o alto investimento no 5G

Desde 2018, os Estados Unidos vivem uma guerra fiscal com a China. A Huawei é parte do conflito, pois foi acusada de promover espionagem ao país por meio dos seus equipamentos. Entretanto, as provas não foram divulgadas.

Segundo analistas, é possível que os americanos estejam em uma campanha de difamação contra a chinesa para liderar na corrida pela adoção do 5G, pois eles foram os primeiros com o 4G e isso alavancou a economia do país.

ECONOMIZE! 💰 Compare os planos das operadoras de celular e escolha o mais vantajoso para você.

Na atualidade, a Huawei possui a melhor e mais barata tecnologia para implementação do 5G, além de já ter contrato com diversos países. O mercado 5G é visto como valioso pelos analistas, portanto, pode ser o empurrão que falta para a China ultrapassar os Estados Unidos como a maior economia do mundo.

Com informações da Valor Econômico

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários