Início5GGuerra dos EUA contra Huawei pode beneficiar 5G no Brasil

Guerra dos EUA contra Huawei pode beneficiar 5G no Brasil

Diretor da Claro Luiz Bourdot diz que a perda de contratos em outros mercados deve levar a gigante chinesa a concentrar o foco em países como o Brasil.


A guerra comercial entre EUA e China, que acabou respingando na gigante chinesa de tecnologia Huawei, pode beneficiar a implantação da 5G no Brasil. O diretor de evolução tecnológica da Claro, Luiz Fernando Bourdot, disse em conversa com jornalistas nesta terça-feira (11) que a perda de contratos com operadoras nos Estados Unidos e outros mercados mais aliados ao governo norte-americano, como Reino Unido, Austrália e Canadá, deve levar a fabricante chinesa a concentrar o foco de atuação em outros países, como o Brasil, Argentina e México.

VIU ISSO?
Leilão de 5G nos EUA movimenta US$ 27 bilhões
Huawei inaugura laboratório 5G na Coreia do Sul
Smartphones 5G serão responsáveis por 25% do mercado em 2023

As três maiores economias da América Latina devem decidir neste ano ou no início de 2020 se permitirão que a Huawei participe do projeto de implantação da infraestrutura para redes 5G em seus territórios. Mas ao que tudo indica, a fabricante deverá receber o sinal verde de todos eles, segundo adiantaram algumas fontes que acompanham o assunto para este noticiário.

BOA TECNOLOGIA

De acordo com Bourdot, a participação da Huawei na implantação da 5G no país deve beneficiar as operadoras. “A Huawei tem boa tecnologia e pode ajudar a alavancar o processo de implantação da 5G no país”, disse ele, acrescentando que a Claro hoje possui equipamentos da Huawei, Ericsson e Nokia, sendo que as estações rádio-base da companhia finlandesa estão mais concentradas nas regiões Norte e Nordeste, enquanto as da Huawei e Ericsson estão mais espalhados pelo país.

Erivelto Tadeuhttps://www.minhaoperadora.com.br
Jornalista com mais de 30 anos de experiência, exercendo as funções de repórter, redator, editor, especializado nos setores de tecnologia da informação, internet e telecomunicações.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários