Netflix planeja oferecer plano mais barato para mobile

Teste bem-sucedido realizado na Índia fez com que executivo da gigante do streaming cogite levar a ideia para outros países.

Foto: Caspar Camille Rubin/Unsplash

Boa notícia para os fãs de séries e filmes em streaming. Durante a última apresentação dos resultados trimestrais, Greg Peters, chefe de produtos da Netflix, afirmou que está considerando levar para outros mercados semelhantes à Índia um plano mais barato e exclusivo para dispositivos mobile.

Após ser lançado em julho na Índia, com uma mensalidade próxima de R$ 11, o plano somente para aparelhos móveis teve um desempenho melhor do que o esperado pela companhia, conseguindo captar e reter clientes.


Por mais que o número de assinantes no celular ainda é muito pequeno, em relação aos mais de 158 milhões de assinantes no país, a Netflix pretende investir mais em conteúdo original indiano.

“Ficamos muito felizes com o plano móvel [na Índia]. Na verdade, está tendo um desempenho melhor do que testamos. Também pretendemos testar em outros mercados, porque achamos que existem condições semelhantes que tornam isso possível e que também será bem-sucedido”, afirmou Peters.

VIU ISSO?
–> Netflix tem aumento de 31% nas receitas
–> Disney proíbe comerciais da Netflix em seus canais de TV
–> Projeto de lei no Senado pode encarecer plataformas de streaming

Durante o relatório, a Netflix apontou que “Sacred Games” (“Jogos Sagrados” em português) continua sendo o programa mais assistido na Índia. Globalmente, “La Casa de Papel” se tornou a série mais assistida em países que não falam inglês, contabilizando 44 milhões de assinantes nas primeiras quatro semanas de estreia.

A terceira temporada de “Stranger Things” é a temporada mais assistida da Netflix até o momento, com 64 milhões de contas, independente de território ou linguagem.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.

Deixe um comentário

Por favor, faça login para comentar
  Acompanhar esta matéria  
Notificação de