Futuro da internet no Brasil pode estar comprometido? Entenda

Comunicado da Abranet alerta que o país precisa buscar um alinhamento com o mercado mundial de frequências para Wi-Fi.

Roteador
Imagem: Misha Feshchak (Unsplash)

Todos os holofotes estão voltados para o 5G, que é uma frequente preocupação do mercado e entidades governamentais. Muito se debate sobre o atraso do leilão, interferência na TV via satélite, porém, um comunicado da Associação Brasileira de Internet (Abranet) revela que o Brasil tem uma questão para ser resolvida o quanto antes.

O país precisa buscar um alinhamento com o mercado mundial de frequências para sistemas Wi-Fi. Se isso não for feito, o futuro da internet em terras brasileiras pode estar seriamente comprometido.


E por quê? As regras vigentes para os equipamentos de sistema de radiação restrita (Wi-Fi) estão defasadas e sem conformidade com a evolução mundial. A Consulta Pública nº 47 da Anatel fez uma revisão necessária dessa regulamentação.

Todas as contribuições de empresas com importante atuação no setor devem ser ouvidas e consideradas.

Um dos temas abordados diz respeito à frequência de 66 a 71 GHz, que precisa de manutenção assim como uma ampliação alinhada a destinação de frequências com os Estados Unidos e outras nações.

VIU ISSO?
Telecine Play lança plano de streaming com baixo custo
Abranet critica a nova lei das telecomunicações e pede mudanças
Hotposts WiFi da Hughes são lançados no Brasil

A contribuição brasileira defende que exista uma flexibilização dessa faixa, a ponto que ela sirva para continuar os serviços de Wi-Fi em alta capacidade e sirva para as soluções 5G, pois tem latência e alto índice de confiança.

“O espectro é um recurso limitado e, como tal, vital para vários segmentos que devem ser considerados em qualquer decisão a ser adotada. No presente momento há um ‘frenesi’ em identificar frequências para a chamada tecnologia 5G. Essa situação não pode prejudicar ou restringir o uso de outras tecnologias e segmentos do mercado, como o WiFi”, diz a Abranet em comunicado.

A principal defesa da entidade é que toda definição do uso de frequências seja precedida de uma ampla consulta pública.

Assim, será possível considerar implicações e alinhamentos internacionais que afetam a disponibilidade dos produtos e padrões de dispositivos que vão ser utilizados no país.

Ou seja, se considerarmos todas as contribuições da consulta pública, assim como o impacto de decisões e posicionamentos da União Internacional de Telecomunicações (UIT), a posição brasileira precisa de um realinhamento para manter coesão e efetividade.

Equipamentos RLAN nas faixas de 57 a 71 GHz precisam de uma adequação de parâmetros às práticas internacionais.

A Abranet se colocou à disposição para discutir e ampliar o debate.

Com informações da Abranet

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.

1
Deixe um comentário

Por favor, faça login para comentar
1 Número de Comentários
0 Número de Respostas
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Comentário com mais interação
1 Autores de comentários
HELLITON SOARES MESQUITA Autores recentes de comentários
  Acompanhar esta matéria  
o mais novo mais antigo mais votado
Notificação de
Helliton Soares Mesquita
Colaborador

Olhá que matéria mais clickbait. O titulo dá a entender que a internet irá acabar. O texto diz que novas tecnologias futuras pode não chegar. O que também é mentira, se tiver lá fora dificilmente não chegará aqui, só irá demorar mais como sempre.

Cidade - UF
Rondonópolis