AT&T pretende vender até US$ 10 bilhões em ativos em 2020

Empresa quer reduzir a dívida gerada após a compra da Time Warner.

Nesta segunda-feira, 27, a operadora AT&T anunciou o seu novo plano estratégico para os próximos 3 anos, o que inclui a venda de 10 bilhões de dólares de ativos considerados não essenciais. As informações são da Reuters.

O anúncio da venda de ativos veio após o conglomerado apresentar o seu fraco resultado do último trimestre em várias áreas, inclusive na WarnerMedia e na DirecTV, proprietária da Sky no Brasil.


A AT&T perdeu 1,2 milhão de clientes premium de TV e 195 mil consumidores de streaming de vídeo. O faturamento da WarnerMedia, por exemplo, caiu 4,4%, em relação ao ano anterior. A receita operacional total da AT&T encerrou setembro caindo de US$ 45,74 bilhões para US$ 44,59 bilhões.

A venda de ativos é uma das alternativas para melhorar o caixa da empresa. Após a compra da Time Warner, por US$ 85,4 bilhões (quase R$ 340 bilhões), a AT&T acumulou uma dívida de US$ 154 bilhões (R$ 613 bilhões).

VIU ISSO?
–> Entenda a influência da família Bolsonaro no futuro da AT&T e SKY
–> Fundo investidor da AT&T defende venda da SKY
–> AT&T vende operações na América Latina para pagar dívidas

Embora a empresa analisa uma variedade de opções para melhorar seus negócios, a venda da DirecTV não está nos planos, mas existem ideias para possíveis parcerias.

Neste fim de semana, a empresa vendeu a Central Media Enterprises Ltd Europeia, um negócio no valor de US$ 2,1 bilhões (R$ 8,36 bilhões). Com a venda de ativos neste ano, a AT&T já reduziu sua dívida líquida em US$ 12,7 bilhões (R$ 50 bilhões).

A AT&T também anunciou que espera que Randall Stephenson permaneça CEO da empresa até pelo menos 2020.

A SKY tem o plano ideal para a sua TV! Aproveite já com 50% de desconto no primeiro mês. Ligue 0800 123 2040.

COMPARTILHAR EM:

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários