InícioDefesa do ConsumidorConsumidores estão economizando mais em serviços de telefonia e internet

Consumidores estão economizando mais em serviços de telefonia e internet

Em pesquisa, Procon-SP apontou que a pandemia reduziu o poder de compra de 70% dos entrevistados.

Consumidores estão economizando mais em serviços de telefonia e internet

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Procon do Estado de São Paulo (Procon-SP), o poder de compra do consumidor caiu em decorrência da emergência da pandemia da Covid-19, o que levou à redução ou corte de consumos habituais, entre eles, serviços de telefonia e internet.

Ao todo, 5.007 pessoas foram entrevistadas pelo Núcleo de Inteligência e Pesquisas da Escola de Proteção e Defesa do Consumidor do órgão paulista.


O estudo apontou que 69,7% dos entrevistados tiveram diminuição na renda individual, 23,9% permaneceu inalterada e 6,3% houve aumento.

Os motivos apontados para essa redução de renda foram a paralisação parcial ou total das atividades de autônomo ou empresário (40,5%), redução salarial (23,3%) e demissões (19,3%).

VIU ISSO?

–> Serviços de telefonia e internet ficaram mais baratos no Brasil, diz Anatel

–> Falta de chips pode elevar preços dos smartphones

–> Comissão aprova que usuários contratem serviços avulsos de telecomunicações

Para 16,9%, a diminuição foi provocada pela necessidade de contribuir com a renda familiar, por conta do desemprego ou morte de algum familiar.

A perda no poder de compra também forçou 88,9% dos consumidores a economizar.

Esse corte ocorreu inclusive em serviços de telecomunicações, que foram considerados essenciais para garantir o trabalho e estudo remotos, a comunicação entre parentes e amigos, bem como as compras à distância.

O estudo apontou que 33,7% tiveram que economizar com telefonia e internet.

O corte de gastos também afetou a alimentação (69,2%), contas de água, luz e gás (33,1%) e saúde (26,9%).

A maioria dos entrevistados (86,9%) disseram que sentiram aumento de preços, principalmente em alimentos e contas de consumo.

“Não é hora de os fornecedores obterem aumento de seus lucros, mas procurarem manter os mesmos patamares existentes à época anterior ao início da pandemia. Tudo porque o consumidor não tem mais condições de consumir e se o Procon-SP não agir, não intervir e não fiscalizar será agravada ainda mais a sua situação já dificultada pela pandemia do coronavírus”, afirma o diretor executivo do Procon-SP, Fernando Capez.

Sobre o endividamento, 55,3% afirmaram possuir contas em atraso, principalmente em cartão de crédito, contas de consumo e empréstimos bancários.

Com informações de Assessoria de Imprensa Procon-SP.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.

5 COMENTÁRIOS

Acompanhar esta matéria
Notificação de
5 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários