terça-feira, 2 de abril de 2019

Enquanto 5G não sai do papel, 4G no Brasil continua avançando

Em meio a discussão de quando o 5G chegará ao Brasil, disponibilidade do 4G continua crescendo.


O mundo das telecomunicações está voltado para mais uma transição de geração, a passagem do 4G para o 5G. A nova tecnologia irá trazer benefícios extraordinários para diversos mercados, de IoT a medicina. Mas a realidade de implementação da tecnologia, assim como em gerações passadas, acontece de forma singular em cada país. Enquanto na Coreia do Sul a rede já está pronta para se tornar realmente um produto comercial, no Brasil, um dos processos mais importantes para que a tecnologia saia do papel, o leilão de frequências, acontecerá apenas em março de 2020.

Evidentemente que fazer uma comparação entre Coreia do Sul e Brasil em termos de conexão é injusto. Enquanto a média de velocidade da internet fixa na Coreia do Sul é de 137.30 Mbps, no Brasil é 31.36 Mbps. Já em internet móvel a média de velocidade no Brasil é 21.65 Mbps, enquanto na Coreia do Sul é 52.62 Mbps. É, realidades completamente diferentes, mas que também exemplifica a disparidade em relação ao processo para a implementação de novas tecnologias.



O 5G é uma realidade prática distante no Brasil, mas não só aqui. A América Latina como um todo decepciona em relação a implementação de novos padrões, e, é claro, na velocidade de conexão. No fim do ano passado, no relatório Virtual Networking Index (VNI), Cisco revelou que essa região continuará atrasada em relação a média de global nos próximos anos.

Em 2020 a média de velocidade da internet fixa global será de 75, 4 Mbps, enquanto no Brasil será de 29 Mbps. Em relação a América Latina o país que ficará mais próximo da média global será o Chile, com 70 Mbps. Mas olha que ironia, na implementação do 5G o Chile é um dos países com a situação mais complicada, já que lá há espaço de espectro de frequência para apenas uma operadora, o que acaba afunilando uma disputa comercial.

O 5G é muito mais interessante, e realmente útil, para o setor corporativo, já que impulsionará o mercado de IoT e Industria 4.0. Para o usuário final, em termos gerais, o 4G ainda dá um bom caldo, e números recentes mostram como a tecnologia tem se tornado mais atrativa no Brasil, pelo menos em disponibilidade.



De acordo com dados da  Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil), a quantidade de municípios com 4G  no Brasil registrou um salto de 16% em janeiro, comparado ao mesmo período do ano passado. 

Em relação a disponibilidade, 4.459 cidades brasileiras já contam com a tecnologia 4G. Isso representa que mais de 95% da população do país está numa área em que há cobertura, e esse percentual continuará subindo. Recentemente o Grupo de Implantação do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (Gired), aprovou que 280 novos municípios recebam o 4G na faixa dos 700 MHz.

VIU ISSO?


Mas e em velocidade? Esse realmente continua sendo o calcanhar de aquiles do Brasil. Levando em consideração os dados de edições do estudo State of LTE, da Open Signal houve um retrocesso. 

A edição de novembro de 2017 registrou uma velocidade média de conexão de 20.34 Mbps, já em fevereiro de 2018 foi registrado 19.67 Mbps, evidentemente que em determinadas cidades e estados o desempenho pode variar para melhor ou pior. 

Dados coletados pela própria Open Signal, entre 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2018, revelam que a média de velocidade em Porto Alegre foi de 24 Mbps, enquanto Manaus foi 13.3 Mbps.


Outro fator que dá pra ser entendido como um "benéfico" para o usuário final em relação a lentidão na implementação do 5G no Brasil é o leque limitado de aparelho com suporte a tecnologia. 

Há poucos aparelhos 5G no mercado - nenhum deles é vendido oficialmente no Brasil, e os que foram lançados seguem aquela velha máxima: é preciso pagar mais por uma tecnologia que muitos têm interesse. Tendo como base a realidade absurda de preços dos smartphones no Brasil é até melhor que o 5G para o consumidor demore ainda alguns anos pra chegar. Até lá, aproveite do 4G.


2 comentários:

  1. 5G no Brasil só em 2023, a Qualcomm já avisou que aqui está muito atrasado e é tentar cobrar até lá do governo uma cobertura melhor da 4G.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns para a claro no último dia 29 fui a floresta PE e tive a grata surpresa que o 4G lá está disponível e a velocidade excelente até aquele momento só falta a vivo pra completar o trio de ferro das teles oi lá nem se fala nem 2 nem 3 e imagina 4 é ruim.

    ResponderExcluir

Ao deixar a sua opinião no Minha Operadora você concorda em respeitar o nosso Código de Conduta.