quinta-feira, 23 de agosto de 2018

Internet nas escolas públicas é de 2Mbps, nas privadas, 50Mbps

O que você achou? 
Pesquisa mostra desigualdade digital entre instituições de ensino.

A desigualdade digital continua sendo reproduzida no meio escolar. Nas escolas públicas, a velocidade máxima é de 2 Mbps enquanto que nas escolas particulares, a velocidade média é de 11 Mbps, com instituições que chegam a conexões de 50 Mbps. 

Os dados foram levantados pela TIC Educação, patrocinada pelo NIC.br. 

Durante a pesquisa, em 40% das escolas públicas de ensino urbanas e 61% das rurais, as conexões chegaram, no máximo, a 2 Mbps. 

Nas escolas particulares, o cenário é o oposto, onde 65% das instituições contam com conexões superiores a 3 Mbps, sendo que predominam velocidades superiores a 9 Mbps (15%), 11 Mbps (16%) e 21 Mbps (14%). E em 6% das instituições privadas, a conexão é superior a 50 Mbps. 

No entanto, possuir internet na escola não significa necessariamente que os alunos estão tendo acesso. 

Segundo informa a TIC Educação 2017 “os dados sobre o local de acesso evidenciam que menos da metade dos alunos utilizam a internet na escola.”

LEIA TAMBÉM:


Durante entrevista com os alunos, apenas 37% dos estudantes de escolas públicas que utilizam internet disseram que a escola é um local de acesso à rede. Entre os alunos das instituições privadas, esse percentual é de 50%.

Ainda segundo a TIC Educação 2017, entre as instituições de ensino que não usam internet, a falta de infraestrutura de acesso à rede na região é o motivo apontado por 48% dos diretores ou responsáveis. 

Outro motivo recorrente é o alto custo de conexão, citado por 28% dos diretores ou responsáveis.

Tanto nas escolas públicas como nas particulares, o uso da internet ainda está associado principalmente a realização de pesquisas e tarefas. 

Enquanto 42% dos professores das escolas públicas tiraram dúvidas de alunos pela rede, esse índice chega a 66% entre docentes de escolas particulares. 

A distinção também aparece entre os que receberam trabalhos pela internet, com proporções de 29% nas públicas, 53% nas particulares; e mesmo da disponibilização de conteúdo online, 48% nas públicas, 61% nas privadas.



3 comentários:

  1. O governo poderia implementar internet popular de 50 Mbps pelo menos, por R$25,00, algo em torno disso, mesmo que tivesse uma franquia de 200 GB ao mês, já ajudaria e muito. Nem isso o governo faz.

    ResponderExcluir
  2. Mais no caso de escola publica, e um descaso antigo, eu terminei a escola em 2005, e já naquela época quando começaram a implantar internet nas escolas, no caso salas com computadores, mal se utilizava a sala, acho que usei somente uma vez, minha inclusão digital no caso aqui em SP capital, foi devido na época ter os programas de telecentros da prefeitura, e info centro do governo do estado, onde tinha internet gratuita em espaços ociosos dentro das escolas, onde qualquer pessoa mesmo não sendo aluno da escola, poderia ligar e marcar utilizando por uma hora o da prefeitura, e do governo por meia hora, isso ate meados de 2010, pois após isso eu comprei um PC, vendo essa situação fica claro porque em escola publica mal tem acesso a internet, como as escolas publicas ficam em bairros mais periféricos, e mal tem internet de qualidade pros moradores, imagina em escola publica, uma vergonha, mais o país que conhecemos da corrupção é desse jeito, e isso não e uma novidade, infelizmente.

    ResponderExcluir