segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Organização do Oi Park Jam é acusada de machismo em premiação

O que você achou? 
Polêmica começou depois de foto publicada mostrando valor de prêmio com grande diferença entre skatista homem e mulher na mesma competição.


A Oi estreou seu calendário de eventos como patrocinadora de atletas brasileiros na quarta-feira do dia 24 de janeiro, com o Oi Park Jam. A intenção do evento era receber o skate na modalidade “Park”, que fará parte dos Jogos Olímpicos de 2020, em Tóquio, pela primeira vez de forma internacional no Édem Skatepark, na Praia Brava, em Santa Catarina. Mas uma polêmica prejudicou a imagem do evento.

A maioria dos comentários nas redes sociais esteve relacionada a uma foto publicada pelo Oi Park Jam no Instagram, que mostrou uma grande diferença entre o valor pago para o campeão masculino e a campeã feminina na mesma competição. Enquanto Pedro Barros recebeu R$ 17 mil pelo prêmio, Yndiara Asp ganhou apenas R$ 5 mil.


O valor para a categoria feminina, portanto, foi de R$ 12 mil a menos do que o pago para a categoria masculina, o que logo incentivou as mensagens acusando a organização do evento de ser machista.

LEIA TAMBÉM:


O fato fez com que skatistas femininas se manifestassem e os responsáveis pelo Oi Park Jam se posicionassem sobre o assunto. Eles disseram que as premiações foram diferentes porque levaram em consideração o número de praticantes, ainda diferente entre os gêneros. Foram 23 homens profissionais no evento, e apenas 10 mulheres, na maioria amadoras.


Ainda assim, a repercussão continuou e os usuários acabaram acusando a organização de contraditória, uma vez que se diz comprometida com o debate sobre igualdade de gênero e para incentivar o skate feminino, mas ainda assim oferece premiações e, consequentemente, incentivos inferiores que os dos homens.

Veja todas as postagens:



Temos recebido alguns questionamentos sobre a diferença de premiação do Oi Park Jam, realizado no último domingo, e entendemos que este é um debate importante para o desenvolvimento do skate no universo feminino. O número de praticantes de skate ainda é diferente entre os gêneros e o Oi Park Jam reflete essa realidade, com 23 homens (22 profissionais e entre os mais bem colocados no ranking mundial e 1 amador) e apenas 10 mulheres (em sua maioria amadoras) competindo. As premiações levaram em conta, portanto, a participação qualitativa e quantitativa de skatistas profissionais, que por consequência leva a um maior grau de dificuldade para se chegar às primeiras colocações. Para mudar esse quadro, nos esforçamos para garantir que as mulheres tivessem a oportunidade, inédita, de competirem num evento de skate com visibilidade nacional e relevância internacional. O Oi Park Jam tem como premissa estimular a popularização do skate e o aumento da participação das mulheres nessa cena, historicamente masculina. Temos ainda a intenção de, através do estímulo ao skate feminino, quebrar mais barreiras e preconceitos para, em um futuro próximo, conquistar o objetivo de ter o mesmo número de homens e mulheres praticantes, profissionais e amadores, o que levará, naturalmente, à equivalência nas premiações. Estamos comprometidos com o debate sobre igualdade de gênero e vamos continuar nos esforçando para a inserção da mulher no skate em igualdade de gênero.
Uma publicação compartilhada por Oi Park Jam (@oiparkjam) em
Quando recebemos a notícia de que o feminino seria incluído num campeonato importante, com cobertura enorme da grande mídia, vimos essa oportunidade como uma grande conquista para a nossa categoria. No entanto, o mundo inteiro questionou o fato da premiação dos homens ser três vezes maior que a das mulheres. Passei boa parte da minha carreira participando de competições masculinas. Já fui barrada em competições masculinas porque não entendiam como é que uma menina poderia querer competir contra aqueles caras. Mas eu queria. E a única alternativa que eu tinha era me meter nessas competições, mesmo que o lugar destinado a mulheres nesses eventos fosse o da exceção à regra. Estive à frente do skate feminino, lutando - às vezes quase que literalmente - para que as meninas ao menos tivessem um espaço na cena, e falhei inúmeras vezes. No entanto, esse esforço - que não foi só meu, mas de muita gente que eu nem poderia enumerar aqui - acabou trazendo para o skate feminino, aos poucos, a relevância que ele merece. Hoje o skate está em todo lugar - é o segundo esporte mais praticado no Brasil - e as meninas são uma parcela muito grande desse público, que consome, se inspira, movimenta e vive o skate. A notoriedade do nosso estilo de vida nunca esteve tão em alta como agora que o skate virou modalidade olímpica, e isso trouxe muita atenção de um público ainda maior. O mundo está em constante evolução, e nunca antes se fez tão necessário que paradigmas ultrapassados sejam derrubados. E o skate, mesmo sendo um esporte do futuro, ainda reproduz alguns conceitos que não têm mais lugar na versão 2018 do nosso planeta. Nós, mulheres, treinamos tanto quanto os homens, vivemos isso com tanta intensidade e paixão quanto os homens, mas enfrentamos, além das dificuldade inerentes da vida da atleta, os desafios a mais que temos apenas pelo fato de sermos mulheres. Embora a gente já tenha conseguido avançar bastante na nossa luta, o espaço que nos é dado na mídia ainda é menor, sem falar na nossa participação nas competições - quando ela existe - que é sempre uma incerteza. É esse ecossistema de desigualdade que faz com que muita gente do nosso meio ache que ‘tudo bem’ uma prem
Uma publicação compartilhada por Karen Jonz (@karenjonz) em


3 comentários:

  1. O que uma empresa falida de telecom faz para tentar se salvar?
    Claro! invista em eventos esportivos!, cujo o intuito primario é ganhar visibilidade para empresa, o que nao ocorrera com a nossa pois nosso problema é infraestrutura, e nao visibilidade.
    GENIO, tem mais é que se virar agora.

    ResponderExcluir

Ao deixar a sua opinião no Minha Operadora você concorda em respeitar o nosso Código de Conduta.