InícioNotíciasOperadoras vão enterrar 52 km de fios em 117 ruas de SP

Operadoras vão enterrar 52 km de fios em 117 ruas de SP

Elas terão que investir sozinhas no enterramento da fiação, que fará com que 2 mil postes sejam retirados do centro da cidade até julho de 2018.




Até julho de 2018, as operadoras de telecomunicações devem enterrar 52 quilômetros de fiação, eliminando cerca de 2 mil postes em 117 ruas de São Paulo. Este foi o anúncio do prefeito João Doria (PSDB) nesta segunda-feira (14).


Apesar de se tratar de um acordo envolvendo a Prefeitura de São Paulo e também a Eletropaulo, os custos do enterramento serão de responsabilidade única das operadoras.


Para não dizer que a AES Eletropaulo não terá que pagar nada, ela pagará, sim, os cerca de R$ 6 milhões para remover os postes das ruas, que estavam desde o começo do ano para serem definidas. Já a prefeitura, não terá que arcar com nenhuma obra.


A boa notícia para as operadoras é que, apesar do investimento no projeto, elas deixarão de pagar aluguel para usar os postes da Eletropaulo.



Apesar da previsão inicial, a meta é diferente: enterrar 100 km de fios por ano na gestão de João Doria, enquanto que, na gestão de Fernando Haddad (PT), o pedido era de 250 km por ano. Mesmo com a meta, há muitas outras situações que podem alterar os planos das operadoras, que não receberam um contrato formal com datas.
Consolação, Bela Vista, República, Santa Cecília, Jardim Paulista, Bom Retiro e Brás são as regiões escolhidas para o enterramento de 58 mil km de cabos, incluindo energia e de telefonia, TV e internet, que aumentarão em seis vezes a quantidade de cabos subterrâneos em São Paulo, que atualmente tem 11,4 mil.
A partir do terceiro trimestre do ano que vem, quando essa primeira fase do chamado “Cidade Linda Redes Aéreas” deve terminar, o cronograma irá incluir outras regiões.

De acordo com o presidente da Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas (Telcomp), João Moura, o trabalho deve ser gradativo e não feito de uma vez, como já sugerido antes, também para não criar problemas para a população. A ideia é que a maior parte das obras no centro da cidade ocorra em janeiro, para não prejudicar o comércio durante as festas de fim de ano.

LEIA TAMBÉM:

CONTEUDO RELACIONADO
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários

MAIS POPULARES