quinta-feira, 13 de junho de 2013

Telebras fornecerá serviços de CDN para provedores em 2014

O que você achou? 


O presidente da Telebras, Caio Bonilha, reiterou durante o 5º encontro nacional de provedores de Internet da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint) que a estatal fornecerá serviços de CDN (Content Delivery Network) em parceria com provedores de conteúdo para provedores de acesso até o ano que vem. Segundo Bonilha, isso é reflexo da convergência de ofertas de triple play no mercado, que estaria pondo em desvantagem as empresas menores. "Além da banda larga, os usuários também querem conteúdo e outros serviços, e a própria lei do Serviço de Acesso Condicionado (SeAC) já é uma facilitadora para os provedores", explica. "A Telebras não está alheia a esse processo, estamos estudando com outras empresas para entrar na cadeia de CDN e, em breve, vamos ver como dar condições a vocês (provedores de acesso) a ter outros produtos para os clientes, para competirem de forma mais isonômica."

Bonilha diz que o serviço de CDN "seguramente será disponibilizado em 2014" com um investimento inicial "relativamente pequeno". A arquitetura dessa rede, diz, vai depender do modelo de negócios escolhido. "Temos demanda e temos provedores", garantiu ele. "Já completamos nossa rede, então não faz sentido a gente não ajudar". Ou seja, o transporte de conteúdo será feito pela companhia, que deverá cobrar "preços competitivos" para que os provedores possam fazer pacotes triple play.

Ele ressalta que a Telebras está atualmente focada no fornecimento de infraestrutura para a Copa das Confederações, mas que, passado o evento, a empresa terminará de elaborar o plano. Ela vai disputar mercado com companhias como Level 3, que começou a prestar serviços de rede de entrega de conteúdo no ano passado, e Akamai. Em parceria com a Cisco, a TIM também deverá ser uma concorrente com um projeto de CDN, previsto para ser concluído no primeiro semestre de 2014.

A entrada no mercado de CDN visa a promover maior poder de competição a uma gama de mais de cem provedores que utilizam a infraestrutura da Telebras no País. Segundo Caio Bonilha, a empresa tem potencial para atender a mais de 1,5 mil municípios com a rede de 25 mil km de backbone, finalizado em maio. "Já chegamos a localidades remotas como Porto Velho, Pará, Amapá e todo o Nordeste", afirmou. Com o projeto do satélite geoestacionário brasileiro, as demais localidades onde a rede física não terá condições de atender estarão cobertas.


A Telebras ainda está trabalhando com a prefeitura de Fortaleza para a construção de um data center para a rede, que deverá ser concluído entre o final de 2014 e começo de 2015, após licitação. "Estamos com o edital pronto, só paramos para a troca de governo", diz Bonilha, citando a troca de prefeitura na capital cearense. "Agora estamos ratificando".

Com orçamento de cerca de R$ 500 milhões, a empresa deverá fazer pela primeira vez uma conferência para analistas. Mas Caio Bonilha avisa que, apesar do histórico, a estatal apenas acabou de concluir seu backbone, onde estavam concentrados seus esforços. "Somos uma startup, de papel temos três anos. Então, às vezes, os resultados não são tão bons", avisa.