quinta-feira, 18 de abril de 2013

CPqD já testa LTE em 450 MHz com uma operadora brasileira

O que você achou? 
Enquanto avançam as negociações no 3GPP para a padronização da tecnologia LTE (4G) na frequência de 450 MHz, o CPqD dá mais um passo para a tecnologia desenvolvida nacionalmente em operação ao concluir a primeira etapa dos testes de campo com eNodeBs [as estações radiobase (ERBs) da tecnologia] e terminais de usuários (CPEs) com uma operadora brasileira. De acordo com Juliano Bazzo, da gerência de comunicação sem fio do CPqD, os testes de interoperabilidade das eNodeBs e CPEs na rede núcleo da operadora, que se iniciaram em fevereiro, foram concluídos com sucesso no último mês de março. "Essa foi a fase de laboratório na operadora que antecede os testes de campo propriamente ditos. A partir de junho devemos começar a integração nas redes de acesso. A operadora irá definir o cronograma, escopo dos testes, área (geográfica) e a quantidade de usuários para esse experimento em campo", detalha Bazzo. O nome da operadora ainda não pode ser revelado, mas é uma das quatro que adquiriram a faixa de 450 MHz para atendimento à área rural no leilão do 4G: Claro, Oi, Vivo ou TIM.

A tecnologia das eNodeBs e CPEs foi transferida pelo CPqD para a brasileira WxBR, que tem entre suas sócias a Padtec, também de capital nacional. O CPqD também se prepara para a evolução do LTE e desenvolve desde 2010 a camada física dessa tecnologia, além de possuir o código fonte das outras camadas permitindo criar funcionalidades de acordo com a necessidade do cliente e implementar com maior rapidez as novidades da padronização..

Para Bazzo, o desenvolvimento do LTE na faixa de 450 MHz é particularmente importante para o Brasil não apenas porque possibilita o atendimento com banda larga a áreas rurais, tradicionalmente pouco ou não atendidas, mas também porque é uma tecnologia que pode ser aplicada em outros países que ainda não tenham uma boa penetração da banda larga nas áreas mais afastadas dos grandes centros urbanos. Ele cita o caso da Rússia, que já utiliza a frequência de 450 MHz para áreas rurais, mas na tecnologia CDMA.

"Existe a possibilidade real de ser utilizada por outros países. Já houve até um país da América do Sul que entrou em contato conosco para saber mais sobre a aplicação do LTE em 450 MHz, particularmente para aplicar em políticas públicas e prover banda larga para a população", diz Bazzo reforçando a importância da padronização do LTE em 450 MHz pelo 3GPP, mas lembrando que a tecnologia desenvolvida pelo CPqD poderia ser adaptada ainda a outras frequências além do 450 MHz, caso essa faixa não seja a escolhida por outros países.