15/07/2024

FIFA busca captar até US$ 2 bilhões para impulsionar seu streaming

Federação dará início a um processo formal de captação no início de julho, mirando principalmente investidores dos EUA e Oriente Médio.

A Federação Internacional de Futebol (FIFA) pretende impulsionar o FIFA+, sua plataforma de streaming gratuita com cobertura ao vivo de suas competições, e para isso busca arrecadar até US$ 2 bilhões para investir no serviço, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto que pediram anonimato porque não são informações públicas.

A federação, em conjunto com a UBS Group AG, quer criar um fundo. Um processo formal de captação deve ter início em julho, mirando investidores financeiros dos Estados Unidos e do Oriente Médio, para levantar de US$ 1 bilhão a US$ 2 bilhões para expandir o serviço.

Como as deliberações ainda estão em fase inicial, os detalhes como o cronograma e o tamanho da captação de recursos podem mudar. Segundo as fontes, o investimento daria direito a uma participação minoritaria no FIFA+. Oficialmente, representantes do UBS e da FIFA não quiseram comentar o assunto.

O FIFA+ foi lançado em abril de 2022 como um serviço de streaming na modalidade suportada por espaços publicitários, que planejava transmitir 40.000 jogos ao vivo por ano, sendo que, no mínimo, um quarto desse total seria de competições femininas.

Até agora, alguns produtos da plataforma são transmitidos ao vivo, como a Copa do Mundo Feminina de 2023, sendo predominantemente oferecida gratuitamente em países onde não havia vendido direitos televisivos. Atualmente, o serviço está transmitindo o torneio masculino da Confederação de Futebol, competição entre seleções da Oceania, cuja final acontece no próximo dia 30, entre Nova Zelândia e Vanuatu.

Nos últimos anos, a FIFA tentou levantar capital algumas vezes para o financiamento de novos torneios, além de seu principal, a Copa do Mundo.

Essa não é a primeira vez que a FIFA tenta levantar recursos para impulsionar sua plataforma. Em 2018, um acordo de US$ 25 bilhões, liderado pelo Softbank Group Corp., planejava investir em uma joint venture que financiaria a criação de duas novas competições. No entanto, o negócio foi arquivado após a oposição de alguns membros europeus.

Outra tentativa ocorreu em 2020, quando tentou levantar US$ 1 bilhão para renovar o Campeonato Mundial de Clubes, mas os planos foram adiados por conta da pandemia de Covid-19. Atualmente, a FIFA vem tentando negociar a transmissão da nova Copa do Mundo de Clubes, que estreia em 2025 e acontecerá nos Estados Unidos.

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários