22/02/2024

Conflitos entre China e EUA têm afetado os negócios 5G da Huawei

Segundo a fabricante chinesa, devido às restrições, há vários países com os quais a empresa não pode fazer negócios.

Em coletiva com jornalistas latino-americanos, nesta sexta-feira, 31, o vice-presidente de relações institucionais para América Latina da Huawei, Cesar Funes, declarou que o 5G tem sido uma das tecnologias mais afetadas pelos conflitos envolvendo a China e os Estados Unidos, principalmente o setor de smartphones.

Para entender melhor, os EUA têm aplicado restrições no comércio internacional à empresas chinesas, como a Huawei, sob a argumentação de segurança nacional. “Nós estamos abertos para cooperação, queremos continuar trabalhando nisso. Queremos continuar fazendo negócios com qualquer ator de 5G, mas devido às restrições, temos vários países com os quais não podemos fazer negócios”, comentou.

Por causa da situação delicada, a Huawei não tem revelado detalhes sobre os resultados com vendas de infraestrutura do 5G. Segundo Funes, a atitude é para não comprometer nenhum cliente ou contato da companhia.

Michael Chen, diretor de comunicação corporativa para América Latina, se aprofunda mais na questão, explicando que vai além das restrições o fato da Huawei não revelar seus números. No relatório anual constava o número de operadoras com infraestrutura 5G da Huawei.

Inicialmente, essa quantidade de contratos de 5G refletia a rapidez da disseminação da nova rede e revelava questões sobre o market share. Entretanto, é algo que deixou de ser significativo, uma vez que não reflete mais o estado real do mercado.

“Normalmente, as grandes operadoras adotam uma estratégia de multifornecedores. Você não usa apenas equipamentos da Huawei, mas também usa equipamentos dos nossos concorrentes. Esses números não refletem mais essas diferenças como antes faziam. E também porque há diferenças em termos de tamanho dos contratos. Pode ser o mesmo número de contratos, mas o valor do contrato pode ser grande ou pequeno – e pode haver uma diferença imensa”, explicou.

Chen diz que, mesmo com as restrições mundiais, a Huawei tenta manter a competitividade e se diferenciar de seus concorrentes, além de continuar atualizado seu portfólio de produtos constantemente. Inclusive, melhorando os lançados recentemente. “Nós usamos materiais mais leves, mais eficientes em termos de energia, então são soluções melhores”, contou.

Resultado financeiro

No relatório anual, publicado nesta sexta-feira, 31, em 2022, a Huawei teve lucro líquido de 35,6 bilhões de yuans (US$ 5,18 bilhões), o que representa uma queda de 69% em relação ao ano anterior. Além das sanções, a companhia culpou os resultados pelo aumento no preço de commodities e os rígidos controles pandêmicos da China, em 2022.

Os negócios, incluindo o 5G, registraram receita de 284 bilhões de iuans (US$ 41,3 bilhões) em 2022, um aumento de 0,9% em relação a 2021. A vendas de infraestrutura TIC no geral somou 354 bilhões de iuans (US$ 51,5 bilhões).

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários