20/04/2024

Oi estuda pedir novo empréstimo para quitar dívidas

Como garantia do recurso seriam usadas as ações da V.tal, negócio de infraestrutura de redes de fibra óptica, onde possui 38,5% dos papéis.

A Oi, que ainda está em processo de recuperação judicial, estuda a possibilidade de pegar mais um empréstimo para tentar quitar as dívidas que ainda tem com seus credores. Segundo informação divulgada pela Coluna do Broadcast, do Estadão, o novo empréstimo entrou no radar do processo da empresa como parte do reescalonamento de dívidas.

Esses recursos, que teriam como garantia as ações da rede neutra V.tal, empresa de infraestrutura de rede de fibra óptica, seriam destinados para pagar os débitos com os credores que não quiseram aderir à reestruturação em andamento. Lembrando que esse ajuste no pagamento e a tomada de novos recursos estão previstos no plano de recuperação judicial da Oi.

De acordo com a publicação, o alto escalão da Oi acredita que a V.tal é um ativo valioso para o equacionamento da dívida e que pode ser usado como a salvação para a empresa, que atualmente possui 38,5% das ações da rede neutra. Vale ressaltar que o controle da V.tal foi vendido para o BTG Pactual, que conta com 61,5% das ações.

A dívida da Oi é da ordem de R$ 22 bilhões, sendo que nas últimas semanas, a empresa tem começado conversas com os credores para realizar os ajustes nesses pagamentos. A empresa espera que o plano de reescalonamento das dívidas seja finalizado até março de 2023, antes que comecem os vencimentos de empréstimos com bancos locais e o pagamento de juros de títulos negociados com credores internacionais.

Guerra judicial com o Bancos

A Oi tem enfrentado problemas com os bancos, que querem que o processo de recuperação judicial seja prorrogado até que a empresa quite toda a dívida com as instituições financeiras.

A Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e Itaú também pedem o bloqueio de bens para o pagamento da dívida de R$ 6,9 bilhões. Segundo os bancos, a Oi estaria “maquiando” contas para driblar o pagamento da dívida.

A Oi nega a acusação e em comunicado a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), argumentou que existem condições no acordo de recuperação judicial para que ela faça o pré-pagamento de alguns credores, dentre eles os bancos, em até três rodadas, após a aplicação de um desconto de 55%.

Entretanto, a empresa conta que até o momento não foram atendidas as condições previstas para o pagamento com desconto citado.

ViaSuno
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários