Streamings gratuitos ganham evidência e já atraem marcas e agências no Brasil

Enquanto o modelo de mercado não chega nas plataformas pagas, os anunciantes já estão analisando o potencial publicitário nas gratuitas.

O modelo de streaming suportado por anúncios publicitários não é nenhuma novidade no Brasil, e enquanto as plataformas pagas estão trabalhando para lançar seus planos com veiculação de anúncios, como a Netflix e Disney+, os streamings gratuitos e aparelhos de TV conectados têm tomado cada vez mais espaço no mercado.

Esse é um modelo de negócio que tem chamado a atenção para os investidores publicitários das marcas. Por exemplo, plataformas como Pluto TV, VIX TV e +Favela TV, assim como sistemas de TV conectada (como Samsung Ads e LG Channel) atraem seus usuários com conteúdos de graça em troca da publicidade nos intervalos da programação.

“A penetração desses serviços já é muito grande no Brasil, e deve crescer ainda mais”, afirma Pallarés, líder da Magnite na América Latina,

De acordo com especialistas, esse é um modelo de negócio que os brasileiros estão recebendo sem grandes problemas, impulsionando assim os negócios de streamings e anunciantes.

Conforme dados da Magnite, empresa de venda de anúncios, 75% dos brasileiros usam algum serviço de streaming seja gratuito ou pago. O levantamento também aponta que 79% dos usuários estão dispostos a mudar de modelo para um com aparência de anúncios.

Pallarés explica que as marcas têm aproveitado esses espaços de streamings gratuitos e TVs conectadas como uma extensão da televisão tradicional, expandindo assim o alcance da sua mensagem, além de precisar investir um valor menor do que é normalmente praticado na TV linear.

De acordo com o diretor executivo de mídia da ID/TBWA, Thiago Fernandes, o consumidor brasileiro entende que a publicidade como parte da TV, algo que já é incorporado à cultura, fazendo com que o modelo se torne algo atraente para as marcas. “O nosso papel é transformar o anúncio em um momento de diversão para o público“, afirma.

Como é uma área que está apresentando grande conhecimento e um dos grandes diferenças entre a TV tradicional é a base de dados de usuários, as marcas e agências ainda precisam ser educados sobre o potencial do mercado, conforme afirma Marx Rodrigues, presidente do +Favela TV, streaming focado em conteúdos para comunidades de periferia no País.

Ele também afirma que é preciso mostrar para as marcas como pode ser atrativo investido nesses espaços. “Ainda é glamuroso anunciar na Rede Globo, mas esse espaço é muito mais caro do que no streaming“, avalia.

A base de assinantes dessas plataformas também vem atraindo as marcas e agências na hora de segmentar as ações. Por exemplo, a agência VMLY&R já usou o espaço de canal de filmes da Pluto TV para divulgar o filme Jurassic World Domínio, sendo que o anúncio foi veiculado para o público que mais acessa conteúdos de ação e aventura.

Cleane Lima
Cleane Lima
Jornalista, Comunicóloga, Repórter e Redatora há mais de 3 anos, com experiência na produção e revisão de conteúdo para internet. Adora escrever sobre qualquer assunto. "Palavras são, na minha humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia". Alvo Dumbledore. E-mail para contato: [email protected]

2 COMENTÁRIOS

Acompanhar esta matéria
Notificação de
2 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários
2
0
O que você acha? Comente!x