20/05/2022

CEO do Twitter inicia rodada de demissões em meio ao tumulto do acordo de Elon Musk

"Não usarei o acordo como desculpa para evitar tomar decisões importantes", diz Parag Agrawal.

O CEO do Twitter, Parag Agrawal, esclareceu na sexta-feira (13) que ele era a força por trás das demissões recentes, não Elon Musk, cuja oferta de aquisição está na balança.

Foto: Reprodução INternet

Na quinta-feira, Agrawal demitiu o gerente geral do Twitter, Kayvon Beykpour, e Bruce Falck, líder de produto de receita da empresa. E na sexta-feira, Musk disse que sua oferta de US$ 44 bilhões para comprar o Twitter estava “temporariamente suspensa”, enquanto ele procurava mais cálculos sobre o número de contas de spam e bots na plataforma. Ele seguiu twittando que “ainda estava comprometido com a aquisição”.

“Embora eu espere que o negócio seja fechado, precisamos estar preparados para todos os cenários e sempre fazer o que é certo para o Twitter. Sou responsável por liderar e operar o Twitter, e nosso trabalho é construir um Twitter mais forte todos os dias”, twittou Agrawal na sexta-feira.

Agrawal acrescentou que continua comprometido em “melhorar o Twitter como produto e negócio para os clientes”, mesmo à luz da nova propriedade.

“As pessoas também perguntaram: por que gerenciar os custos agora ou depois do fechamento? Nosso setor está em um ambiente macro muito desafiador – agora. Não usarei o acordo como desculpa para evitar tomar decisões importantes para a saúde da empresa, nem qualquer líder do Twitter”, tuitou.

O Twitter aceitou a oferta de aquisição de US$ 44 bilhões de Musk no final de abril. O negócio ainda está pendente de aprovação das agências reguladoras e dos acionistas. Musk agora alegou que também “pendente de detalhes que suportam o cálculo de que contas de spam/falsas representam de fato menos de 5% dos usuários”.

Musk há muito se mobiliza contra o que vê como um número excessivo de contas de spam na plataforma e prometeu se livrar delas assim que for dono da empresa.

Em um documento recente, o Twitter disse que contas falsas ou de spam representaram menos de 5% de seus usuários ativos mensais no primeiro trimestre. Esta é uma estimativa, no entanto, e o arquivamento acrescenta que “pode não representar com precisão o número real de tais contas”.

“Estamos continuamente buscando melhorar nossa capacidade de estimar o número total de contas de spam e eliminá-las do cálculo de nosso mDAU”, diz o relatório trimestral.

Carolina Veneroso
Carolina Veneroso
Jornalista, formada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como repórter, redatora e com produção de conteúdo há 5 anos. Apaixonada por entrevistar e conhecer pessoas e novas histórias.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários