InícioEconomia e NegóciosCade nega acesso aos documentos da venda da Oi Móvel para a...

Cade nega acesso aos documentos da venda da Oi Móvel para a TelComp

Associação solicitou a quebra de confidencialidade do acordo feito na operação de compra da unidade móvel da Oi pela TIM, Vivo e Claro.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) negou o pedido da Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações (TelComp) para ter acesso às informações mais detalhadas sobre o acordo de venda da Oi Móvel para a TIM, Vivo e Claro. A solicitação foi negada pelo conselheiro relator, Luis Henrique Braido, responsável pelo voto da operação de compra da unidade.

De acordo com Luis Henrique Braido, o pedido de quebra de confidencialidade da associação não se sustenta, já que o argumento foi a Superintendência Geral não ter dado acesso a todos os documentos do processo. Para o relator, os documentos que foram públicos explicitam quais as restrições (remédios) propostas para a transação.

O pedido de quebra de confidencialidade dos documentos do processo de compra da Oi Móvel foi solicitado pela TelComp no dia 12 de novembro, com o argumento de que o Cade apresentou apenas um parecer sobre a análise da concentração de mercado e as diretrizes do acordo. Para a Associação, isso é pouco para que seja uma análise completa das consequências no segmento.

No citado momento, a TelComp afirmou que

“O parecer da superintendência-geral do Cade é bastante genérico quanto ao que é abrangido por tal minuta de ACC, de modo que é absolutamente inviável para a TelComp realizar uma devida análise a respeito da adequação e da suficiência dos termos e condições de tal acordo para o endereçamento dos reconhecidos riscos concorrenciais da operação”.


LEIA TAMBEM:

–> TelComp pede quebra de confidencialidade do acordo da venda da Oi Móvel

–> Venda da operadora virtual do Grupo Safra para a Claro é aprovada pela SG do Cade

–> Superintendência do Cade recomenda a venda da Oi Móvel com restrições

O Cade aprovou com remédios a venda da unidade móvel da Oi para as três operadoras, sendo que essas restrições têm o objetivo de gerar condições para uma eventual entrada de concorrentes no segmento. No entanto, para a TelComp, os argumentos apresentados pelos Requerentes não estão disponíveis nos autos públicos.

A venda da Oi Móvel para a Vivo, TIM e Claro foi acertada por R$ 16,5 bilhões em leilão realizado em dezembro de 2020.

Cleane Lima
Jornalista, Comunicóloga, Repórter e Redatora há mais de 3 anos, com experiência na produção e revisão de conteúdo para internet. Adora escrever sobre qualquer assunto. "Palavras são, na minha humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia". Alvo Dumbledore.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários