24/09/2021
InícioEconomia e NegóciosDisney+ registrou média de quase 2 novos clientes a cada segundo no...

Disney+ registrou média de quase 2 novos clientes a cada segundo no último ano

Serviço de streaming almeja alcançar 260 milhões de assinantes até 2024.

Disney+ registrou média de quase 2 novos clientes a cada segundo no último ano

De acordo com um relatório financeiro referente ao terceiro trimestre fiscal (encerrado em 3 de julho de 2021), apresentado pela empresa Disney nesta quinta-feira, 12 de agosto, o serviço Disney+ atingiu a marca de 116 milhões de assinantes em todo o mundo. O montante representa mais que o dobro de usuários que o streaming tinha em 27 de junho de 2020 (57,5 milhões).

Isso significa que durante esse período o Disney+ conquistou em média 1,83 novo cliente a cada segundo. O número corresponde a quase 158 mil novos usuários por dia na média.

A cifra superou as expectativas dos analistas (que era 114,5 milhões de assinante), após um crescimento mais lento no trimestre anterior, por conta do relaxamento das políticas de isolamento social decorrentes da pandemia da Covid-19. Por outro lado, ajudou nesse crescimento a expansão do serviço em países do continente asiático, como a Malásia, Tailândia, Índia e Indonésia.

A marca de 100 milhões de clientes foi ultrapassada em março deste ano, apenas 16 meses após o início das operações do Disney+. Na época, os executivos da Disney afirmaram que a plataforma estava no caminho para cumprir a projeção de atingir 260 milhões de assinantes até 2024.

VEJA TAMBÉM:

–> Conheça os preços de assinatura do Star+, novo streaming da Disney

–> Starz e Disney chegam a um acordo sobre o Star+

–> Disney+: fim do ‘Premier Access’ já pode ter sido decretado

Apesar deste crescimento da base de usuários, a receita média mensal por assinante caiu 10% no terceiro trimestre, de US$ 4,62 (R$ 24,13 na cotação atual do dólar) para US$ 4,16 (R$ 21,73), além de registrar um leve prejuízo operacional. A empresa explica que a perda foi decorrente aos maiores custos de programação, produção, marketing e tecnologia. A Disney salienta que esses custos foram parcialmente compensados por um aumento nas receitas de assinaturas e pela exibição do filme Cruella por meio do “Premier Access”.

“Terminamos o terceiro trimestre em uma posição forte e estamos satisfeitos com a trajetória da empresa à medida que aumentamos nossos negócios em meio aos desafios contínuos da pandemia”, disse Bob Chapek, CEO da The Walt Disney Company.

Com informações de Relações com Investidores Disney e TechCrunch.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
CONTEUDO RELACIONADO
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários

MAIS POPULARES