Intervozes protocola recurso contra o zero-rating

Prática é utilizada pelas operadoras para ofertar acesso ilimitado a aplicativos para consumidores.

Intervozes protocola recurso contra o zero-rating

Na última sexta-feira, 11 de junho, o Coletivo Brasil de Comunicação (Intervozes) entrou com um recurso contra o arquivamento do inquérito civil do Ministério Público Federal (MPF) que investiga se a prática do zero-rating pelas operadoras de telefonia configura uma violação à neutralidade de rede.

O zero-rating é conhecido como a prática das operadoras de oferecer acesso ilimitado a determinados aplicativos – como o WhatsApp, por exemplo – de forma gratuita e sem cobrar franquia de dados.

Para a entidade, a medida acaba violando o conceito de neutralidade de rede – como estabelece o Marco Civil da Internet (Lei nº 12.965, de 2014) – no qual é proibido que as empresas segmentem, limitem, bloqueiem ou cobrem de forma diferenciado por serviços ou produtos disponíveis na internet.

Ou seja, o tráfego na internet deve ser tratado da mesma forma, independentemente do aplicativo utilizado.

VEJA TAMBÉM:

–> Anatel nega pedido que proibia corte de internet ao fim de franquia

–> Zero rating: Proteste recorre contra arquivamento de investigação

–> Brasil é um dos países que mais violam a neutralidade de rede

O Intervozes denuncia que as empresas de telefonia não oferecem ao usuário a opção de escolher quais aplicativos não vão descontar da franquia.

O inquérito foi arquivado pelo MPF com o argumento de que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) já havia se manifestado que o zero-rating não configura violação à concorrência.

Em setembro passado, o Intervozes já havia protocolado um recurso contra o arquivamento do inquérito civil, sem sucesso.

No novo recurso, a entidade pede uma revisão da decisão para que o inquérito continue as apurações.

Na justificativa, o Intervozes afirma que a decisão do Cade analisou apenas a prática de concorrência, mas sem entrar na questão da neutralidade da rede.

O MPF também levou em consideração as manifestações do Ministério das Comunicações (MCom), Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br).

No caso do MCom e Anatel, eles entendem que o estado deve manter um grau mínimo de intervenção nos serviços de telecomunicações, algo que o Intervozes não concorda.

“O fato de o art. 170, da Constituição Federal, ao tratar da exploração da atividade econômica, ter adotado como um de seus fundamentos o da livre iniciativa, não afasta o poder regulatório estatal, inclusive para o setor privado, como se pode depreender do teor do art. 174, da Carta Magna”, argumentou a entidade no recurso.

Já o CGI.br, ela afirma que o MPF interpretou de maneira equivocada a decisão do colegiado, que tinha afirmado que existe violação à neutralidade de rede se alguns acessos forem bloqueados.

“Os planos de franquia associados à prática do zero rating fazem justamente a prática indicada pelo CGI.br. Isto porque quando a franquia (volume de dados mensais contratado) acaba, o acesso à Internet é bloqueado e só os pacotes de dados relativos ao Facebook e ao WhatsApp [por exemplo] trafegam na rede, em clara discriminação por aplicação”, concluiu a entidade.

Com informações de Teletime.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários