Funcionários da AlmavivA realizam paralisação em Aracaju

Entre as reivindicações estão o reajuste do piso salarial e pagamento de retroativos.

Fachada da Almaviva, com o prédio branco e logotipo azul.

Depois de se reunirem em assembleia, na última semana, os operadores de telemarketing da AlmavivA, que atendem para os serviços Claro Móvel e residencial, em Aracaju (SE), iniciaram uma paralisação na manhã desta terça-feira, 16.

Uma das reivindicações principais da categoria é que ela deixe de ser representada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações de Sergipe (Sinttel-SE), e tenham como representante o Sindicato dos Trabalhadores em Telemarketing e Empregados de Empresas de Telemarketing do Estado de Sergipe (Sindmarketing).

Os trabalhadores reivindicam o reajuste do salário mínimo para R$ 1.100, já que ainda continuam recebendo R$ 998, e o pagamento dos retroativos, referentes a férias, décimo terceiro, e feriados.

Entre as demais pautas estão o fim da exploração e de práticas antisindical; o retorno do plano de saúde Medvida; depósito único e mensal do valor do vale-transporte; reajuste do vale-refeição para R$ 12; pagamento mensal dos trabalhadores em home office.

VIU ISSO?

–> Telemarketing da TIM fez 10 ligações em 24 horas para consumidor

–> Liberado site oficial para bloquear ligações de telemarketing

–> Operadores chamam Vivo de caloteira em protesto contra call center

Os trabalhadores também protestam contra a troca de horário sem autorização do trabalhador e a reintegração de dirigentes afastados.

Segundo informações do Sindmarketing, aproximadamente seis mil funcionários trabalham na empresa e cerca de mil aderiram à paralisação.

Em seu Boletim Oficial de Comunicação, divulgado ontem, 15, em suas redes sociais, o sindicato afirma que vai realizar uma Assembleia Geral, na próxima semana.

Mas a data só deve ser decidida depois que o Departamento Jurídico do sindicato analisar a contraproposta apresentada pela AlmaViva, relacionada ao Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) 2021.

“Estamos caminhando para a solução das pendências de negociação com a AlmavivA. Portanto, pedimos a sua compreensão e paciência, até que analisemos a contraproposta apresentada pela empresa. Já estivemos mais longe de uma definição. Agora é só uma questão de poucos dias”.

Em entrevista ao Minha Operadora, um dos trabalhadores da AlmaVivA, disse considerar que a greve tem reivindicações legítimas e que espera que sejam acatadas pelo menos metade das pautas propostas.

“O salário é defasado para a categoria e, apesar do cenário da pandemia, a Almaviva registra lucro, segundo o CEO da empresa” disse.

Com informações da A8 Sergipe.

Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários