Para CEO da TIM, ter só três operadoras é saudável para o Brasil

Pietro Labiola destacou as vantagens da divisão que Claro, TIM e Vivo farão da Oi Móvel, se concluírem a transação.

Pietro Labriola, CEO da TIM. Imagem: Reprodução YouTube
Pietro Labriola, CEO da TIM. Imagem: Reprodução YouTube

TIM (TIMP3), Claro e Vivo (VIVT3 / VIVT4) estão cada vez mais próximas de comparem a unidade móvel da Oi (OIBR3). Na mente do consumidor brasileiro, só há uma preocupação: há diminuição da concorrência. Todos desejam que a inevitável venda dos ativos da operadora carioca trouxesse um novo player para o mercado.

No entanto, para Pietro Labriola, é saudável ficar com apenas três grandes empresas de telefonia móvel no mercado.


O executivo acredita que os usuários terão uma disposição mais equânime das frequências. Uma melhora na qualidade dos serviços também é prevista pelo controlador da TIM Brasil.

De forma mais clara, ele explica que a competitividade não depende do número de operadoras que estão no mercado. Se existem três e uma tem 95% do mercado, enquanto as outras possuem 5%, não há competição.

VIU ISSO?

–> Venda da Oi Móvel já está fechada, diz Rodrigo Abreu

–> Especialistas criticam venda da Oi Móvel para Claro, Vivo e TIM

–> Oi pode ter apoio do CADE para vender unidade móvel

E se o Brasil tivesse cinco empresas de telefonia móvel, com duas fortes e três em falência, também não seria um exemplo de competitividade vantajoso para o consumidor.

Portanto, Labriola defende que a modalidade proposta para compra da Oi Móvel é ideal, já que promove um alinhamento de mercado entre as três principais empresas de telecomunicações do Brasil.

Para quem não ficou por dentro até aqui, as três vão dividir os ativos móveis da Oi de acordo com o market share em cada região.

Por exemplo: se uma das compradoras tem a menor fatia de mercado em Brasília, ela absorve toda a cartela da Oi naquela localidade. É a regra que vai prevalecer em todas as regiões do país.

Com informações de NEO Feed

COMPARTILHAR EM:

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
10 Comentários
mais votado
mais novo mais antigo
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários
Sam_GD

claro claro… saudavel so se for para eles manterem o oligopólio

Cidade - UF
Sao Carlos - SP
Junior Costa

Se a rede da TIM ficar boa com a compra da Oi aí acho q vale a pena

Cidade - UF
Bebedouro SP
Sam_GD

então… mas ninguém garante. obviamente em alguns lugares que não possuem cobertura, será benéfico, contudo existe possibilidade de ocorrer em áreas urbanas o que ocorreu no acordo entre vivo e tim: desligarem várias torres de sinal para economizar dinheiro, as torres ficam congestionadas e quem sai perdendo somos nós, consumidores, como sempre.
sinceramente espero que a cade barre isso, a OI vinha oferecendo planos interessantes por preços competitivos (apesar do serviço não ser tanto), agora comparando os planos da tim, vivo e claro, ts, o que muda é o nome

Cidade - UF
Sao Carlos - SP
Chaves L Junior

É OBVIO! PRA ELES É BOM! NUNCA VÃO TE CONCORRETE É O SERVIÇO VAI CONTINUAR A MESMA M….!…O CURIOSO QUE O CADE É A ANATEL CONCORDAM COM ESSE OLIGOPÓLIO! QUEM TÁ LEVANDO MAIS NESSA! SERÁ COINCIDÊNCIA!? FALA SÉRIO!!…QUANDO ISSO VAI ACABAR NO BRASIL…AGORA SÓ TRÊS OPERADORAS MANDANDO NO MERCADO DE TELECOMUNICAÇÕES…AFFS!!…

Cidade - UF
BRASÍLIA DF
George Orge

Nunca eliminar concorrente é saudável para o usuário. Estão fazendo a festa pela cartelização do setor. Cito sempre como exemplo na aviação, onde o esquartejamento da Avianca fez com que as passagens ficassem absurdamente caras e de quebra sem franquia de bagagem, isso com aval do CADE e da ANAC. Se o presidente da TIM cita cinco concorrentes com duas mal das pernas, só está sendo especulativo e tenta defender o indefensável. Festa para eles e nós pagaremos a conta, se é que vai ser possível pois penso considerar viver só de WI-FI, só usando a rede móvel em casos… Leia mais »

Cidade - UF
Camaçari-BA
Emanuel Schott

Existem mercados que naturalmente comportam poucas competidoras. Telefonia móvel é um deles. A maioria dos países tem 2 ou 3 operadoras. 4, como aqui, já é raridade. Isso acontece porque pro celular funcionar, é preciso usar espectro eletromagnético e cada celular depende de uma frequência específica e exclusiva. Não adianta criar 10 operadoras diferentes porque simplesmente terá 10 operadoras que não funcionam. Elas precisam ter uma faixa de espectro mínima pra conseguir suportar muitos celulares conectados ao mesmo tempo. Hoje temos quatro operadoras, mas na maioria dos lugares só duas funcionam justamente porque o espectro limitado tá dividido entre Tim… Leia mais »

Cidade - UF
Porto Velho/RO
Emanuel Schott

Ele não tá errado. Quanto mais se divide o espectro, menos banda a operadora tem disponível e menos qualidade ela tem.

Não adianta querer criar 10 operadoras diferentes, vai ter competição entre 10 péssimas operadoras.

E assim, não é o número de players que define competição. Existem dezenas de marcas de veículos no país e o mercado tá longe de estar concentrado, mas mesmo assim mercado automotivo tá longe de agradar a galera.

Por outro lado, a tecnologia tá lotada de duopolios (processadores, placas de vídeo, videogames) e uma marca acaba forçando a outra a melhorar seus produtos.

Cidade - UF
Porto Velho/RO
Junior Costa

Concordo com vc talvez sem a Oi no mercado pode ser q a vivo, claro e TIM tenham mais qualidade pois vai ter menos espectro para dividir

Cidade - UF
Bebedouro SP
Emanuel Schott

Hoje, na prática, temos apenas duas operadoras. Tim e Oi não funcionam direito em diversos lugares porque tem que dividir espectro.

Com a Tim incorporando frequências da Oi, ela tende a ganhar qualidade e assim ganhamos mais uma operadora funcional.

Cidade - UF
Porto Velho/RO
Junior Costa

Sim se a TIM fica com Oi a rede da TIM vai melhorar muito

Cidade - UF
Bebedouro SP