InícioSegurança DigitalOperadoras terão que entregar dados pessoais de clientes ao IBGE

Operadoras terão que entregar dados pessoais de clientes ao IBGE

OAB entrou com ação de inconstitucionalidade no STF contra medida provisória de Bolsonaro.

Na última sexta-feira, 17, em edição extraordinária do Diário Oficial da União, foi publicada a Medida Provisória 954/2020, assinada pelo presidente Jair Bolsonaro, que obriga as operadoras de telefonia fixa e móvel a disponibilizar os dados pessoais de seus clientes à Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As empresas terão que entregar nomes, números de telefone e endereços de seus consumidores, sejam elas pessoas físicas ou jurídicas, em até 7 dias após o IBGE publicar ato regulamentando os procedimentos para a entrega desses dados.

O objetivo do IBGE é realizar pesquisas estatísticas remotas, por meio de entrevistas telefônicas, e, para isso, ela precisa da distribuição geográfica dos entrevistados.

Neste domingo, 19, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF), alegando que a Medida Provisória é inconstitucional e uma grave quebra de privacidade, ao não trazer argumentos que justifiquem a violação dos dados sigilosos de todos os brasileiros.

A entidade afirma que o escopo da MP é explicado de forma genérica, não apresenta qual a finalidade do uso dos dados pessoais e nem mesmo a urgência de tal medida. O texto também não determina nenhum órgão ou mecanismo de segurança que garanta a correta da guarda das informações.

VIU ISSO?

–> Somos rastreados pelas medidas de combate ao COVID-19?

–> OAB também é contra o adiamento da Lei Geral de Proteção de Dados

–> Cliente da TIM tem seu número excluído do sistema de monitoramento

“Uma vez efetivado o compartilhamento dos dados pessoais dos cerca de, pelo menos, 226 milhões de consumidores cadastrados junto às empresas de telefonia, a violação ao sigilo e proteção dos dados estará efetivada, sendo inafastável seus prejuízos à sociedade e a cada um dos cidadãos lesados”, alerta a OAB.

A ordem dos advogados lembra que o IBGE já adiou por diversas vezes a realização de pesquisas estatísticas em situações menos graves do que uma pandemia. Dessa forma, a violação da privacidade de usuários não se justifica.

A OAB pede a suspensão imediata da Medida Provisória e o seu posterior julgamento de sua inconstitucionalidade.

Com informações de Teletime.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
CONTEUDO RELACIONADO
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários

MAIS POPULARES