InícioEconomia e NegóciosQual operadora poderia comprar a Oi?

Qual operadora poderia comprar a Oi?

Segundo análises, ações podem disparar em possível cenário de compra da operadora.

Ilustração dinheiro. Pixabay
Imagem: Pixabay

De acordo com as informações veiculadas pelo Jornal O Globo, os acionistas da Oi já começam a cogitar a venda da operadora como um todo. Nesse cenário, pode ser difícil imaginar um comprador em potencial.

No momento, a mais lembrada é a Telecom Itália, dona da TIM, mas a companhia também tem dívidas que podem impossibilitar a transação. Um movimento desse tipo só poderia ser feito com a entrada de um investidor financeiro, depois da Oi se livrar da recuperação judicial.


Entretanto, se a venda da operadora fosse em fatias, como por exemplo, a operação móvel, as coisas ficariam mais fáceis em uma possível aquisição.

Não para a Telefônica, dona da Vivo ou a América Móvil, dona da Claro, por concentração de mercado. Seria uma compra complexa para uma das duas, especialmente para a segunda, que aguarda a aprovação da compra da Nextel.

VIU ISSO?
TAC da TIM é aprovado por unanimidade pela Anatel
Oi tem nova estratégia para fugir da falência
Dinheiro da Oi pode acabar em fevereiro

É aí que a TIM Participações surge como a compradora mais provável. Por esse cenário, o banco Credit Suisse enxerga o futuro com certo ceticismo. Apesar dos fundamentos permanecerem sem atividade, há catalisadores positivos no radar, conforme afirmam.

“Vemos a Tim Participações (TIMP3) como a compradora mais provável da operadora à medida que questões de market share e concentração de mercado podem tornar a compra mais complexa para Telefônica Brasil (VIVT4) e para a Claro“, comentam os analistas.

Os últimos resultados fizeram com que o mercado financeiro questionasse a capacidade da Oi em se manter saudável financeiramente. Na análise, não existe espaço para erros na execução do plano estratégico da operadora.

A venda da Unitel, por exemplo, pode levantar aproximadamente US$ 1 bilhão, mas a Oi possui menor poder de barganha para precificações nas condições atuais.

Com informações da MoneyTimes

Anderson Guimarães
Jornalista com seis anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop. E-mail: [email protected]

13 COMENTÁRIOS

Acompanhar esta matéria
Notificação de
13 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários