Internet supera indústria aeroespacial na emissão de CO2

Compare Planos de Celular

Sim, navegar na web pode estar sendo mais prejudicial ao meio ambiente do que um avião às alturas.

Imagem: Pixabay

Muito se discute sobre a internet ser o grande meio que nos levará ao futuro. A fibra ótica e o 5G, inclusive, são as grandes apostas das empresas para promover uma melhor conexão aos consumidores e mudar o mundo que conhecemos, ao abrir as portas para grandes inovações.

Entretanto, pouco se discute os ricos que a universalização da internet traz ao meio ambiente. Para termos uma ideia, navegar na internet já emite mais CO2 do que um avião. Mas, como é possível?


A equação é simples. Toda atividade no computador requer energia. Portanto, a geração massiva de eletricidade, que usa combustíveis fósseis, emite o CO2. Até os mesmo os smartphones possuem suas dependências da energia elétrica.

Quem pode imaginar que o simples hábito de assistir vídeos no YouTube, trocar mensagens de vídeo, texto e áudio no WhatsApp e navegar nas redes sociais pode poluir o meio ambiente?

Pois é, questões como essa, com o tempo, farão com que as empresas tenham que se readaptar. A comparação com a indústria parece absurda, mas não é. A participação da aviação nas taxas de emissões é estimada em 2,5%. A transferência global de dados e de toda a infraestrutura representa quase 4%, de acordo com o Think Thank.

VIU ISSO?
Claro aumenta investimentos em fibra ótica
Vivo e NET/Claro são as empresas mais reclamadas dos últimos meses
Conheça três setores que serão impulsionados pelo 5G

A transferência global de dados crescerá de forma rápida e ininterrupta. A Cisco prevê que, em 2022, 60% da população estará conectada. Se preocupar com o futuro da internet é uma questão urgencial.

Entidades sem fins lucrativos como a Think Thank já realiza pesquisas. Segundo eles, o caminho mais indicado é fazer com que tudo funcione pela energia renovável. Mas nada será tão fácil quanto imaginamos.

Para globalizar o uso da “internet verde”, todos os países do mundo precisam utilizar energia renovável e fazer isso pode ser complicado. A transferência de dados cresce em uma velocidade assustadora.

Vídeos online são vilões!

Imagens em movimento exigem grandes quantidades de dados. O consumo médio de CO2 é superior a 300 milhões de toneladas anuais, graças aos vídeos digitais. Nós adoramos conteúdo em alta resolução, mas eles consomem e muito.

E a previsão é que surjam cada vez mais empresas de streaming de vídeo. Até agora, Apple, Disney, Warner e Facebook já anunciaram ou lançaram suas plataformas de vídeo sob demanda. Não está na hora de ter uma preocupação com o tema?

E qual a diferença do stream para a TV? A radiodifusão analógica também consome eletricidade, mas os dados são transmitidos em nível nacional, diferente da internet, que atravessa o planeta.

A parte de telefonia móvel, também consome muita energia. As ondas eletromagnéticas são facilmente enfraquecidas por condições climáticas, construções e vegetação, portanto, a transmissão precisa ser cada vez mais potente.

O que podemos fazer?

Ninguém vai parar de usar a internet ou começar a mexer em aparelhos antigos, afinal, o tempo e as atualizações impedem que as pessoas tenham medidas tão radicais em suas vidas.

Entretanto, é possível ter um uso consciente da web. Uma espécie de higiene digital.

É realmente necessário enviar 30 fotos de uma mesma situação para a nuvem? Talvez você possa selecionar as cinco ou dez melhores e apagar as outras. Assim a transferência de dados será cada vez menor.

Há realmente a necessidade de assistir vídeo em máxima resolução na tela do smartphone? Alguns modelos sequer possuem capacidade 4K, portanto, deixar vídeos dessa maneira é um esforço inútil, já que a tecnologia não poderá ser verdadeiramente apreciada nesses tipos de tela.

E mesmo se for uma tela 4K, diversos especialistas afirmam que a diferença entre o 4K e o Full HD só pode ser realmente notada em uma grande televisão, com tela superior a 50 polegadas.

O The Shift Project, responsável por todo o estudo e alerta, desenvolveu uma calculadora de CO2 para o navegador. Com ela, é possível medir suas atividades e o impacto gerado para o meio ambiente.

A responsabilidade não é só nossa. Governos e empresas ainda não se mostraram preocupados com a questão, mas nós podemos começar a prática.

Com informações do DW

COMPARTILHAR:

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários