InícioNotíciasVivo completa 16 anos; relembre a trajetória da companhia

Vivo completa 16 anos; relembre a trajetória da companhia

Confira como um acordo entre a Telefónica e a Portugal Telecom criou a maior operadora do Brasil, que após 16 anos se mantém na liderança.


Hoje a Vivo completa 16 anos. Desde o início sua trajetória foi de impressionar. A companhia chegou ao mercado com o rótulo de maior operadora do Brasil, graças a um acordo entre a Telefónica e a Portugal Telecom, firmado em 2001. A Vivo foi constituída pela fusão de diversas operadoras de telefonia móvel espalhadas pelo Brasil – Telesp Celular, Telefônica Celular, Global Telecom e Tele Centro Oeste Celular.

Alguns dias antes da revelação ao grande público a Folha de S. Paulo comunicava o que acabou acontecendo: 


“Uma das maiores migrações de usuários de telefonia celular do mundo ocorrerá nos próximos dias. O grupo português Portugal Telecom e o espanhol Telefónica decidiram que migrarão todos os 16,8 milhões de clientes da Telesp Celular, Telefônica Celular, Global Telecom e Tele Centro Oeste Celular para uma empresa só. Eles passarão a ser clientes da nova operadora Vivo, a maior do país. E foi isso o que aconteceu, o início da Vivo é marcado por uma grande associação, um polo de empresas convergindo para o mesmo objetivo.

Um fato curioso nesse processo inicial de concepção da companhia, é que assim como em tantas outras corporações, outros nomes para a marca passaram por sessões de brainstorming. Um dos nomes colocados à mesa foi Zulu.


A expansão no número de clientes com base em aquisições sempre esteve no DNA da Vivo, também pudera, a companhia chegou ao mercado com os dois pés na porta, agregando diversas operadoras. No seu primeiro ano de mercado a empresa já ostentava 22 milhões de clientes!

Essa característica de ir adicionando novas empresas ao seu “guarda-chuva” permaneceu nos anos seguintes. Em 2007, a Portugal Telecom já demonstrava interesse na Telemig Celular, que era líder em cobertura no estado de Minas Gerais. O presidente-executivo da Portugal Telecom na época, Henrique Granadeiro, chegou a declarar que “Se a Telemig estiver para ser comprada, deveria ser pela Vivo”.

E assim foi feito. Em agosto de 2007 a Vivo confirmava a compra da Telemig por R$ 1,213 bilhão. A Amazônia Celular também foi adquirida pela operadora. Com o acordo a Vivo ampliou ainda mais sua participação no mercado nacional, passando de 28% para 33%. A segunda colocada era a TIM, com 26% seguida pela Claro com 25%. Neste ano a base de clientes da Vivo chegou a 30,24 milhões.

Um dia após a confirmação da venda para a Vivo, a Telemig Celular fez um teste do 3G no Brasil, tecnologia que ampliava os horizontes da comunicação móvel, já que a partir dela começamos a tratar como uma realidade mais próxima as vídeo chamadas. O teste realizado pela Telemig foi baseado na tecnologia WCDMA/HSPA, a velocidade era de 14,4 Mbps. Lembrando que alguns anos antes, em 2004 a Vivo foi a primeira a oferecer 3G no Brasil, com a tecnologia Evolution-Data Optimized ou CDMA 1X-EVDO, com velocidade de 2,4 Mbps. Porém a cobertura era limitada a poucas cidades.

Em meio a essas idas ao mercado, a Telefónica manifestava seu interesse em assumir o controle acionário da Vivo, comprando a parte da sua, até então, parceira, a Portugal Telecom. Henrique Granadeiro, que era presidente da Portugal Telecom disse em meio a repercussão do assunto que a empresa não estaria disposta a abrir mão da Vivo e que nenhuma proposta da Telefónica havia chegado.

Três anos se passaram e o acordo virou uma realidade. Em 2010 a Telefónica anunciou o acordo com cifras de impressionar: a Vivo foi adquirida por 7,5 bilhões de euros.  O acordo envolvia a compra de 50% da participação da Portugal Telecom na  Brasicel, grupo que controlava a Vivo.


VIU ISSO?

Ainda neste ano, a Vivo firmou uma parceria interessante com a Pay Pal, trazendo ao Brasil o pagamento via celular, tendência que tem crescido nos últimos anos. A novidade era exclusiva para clientes Vivo GSM e 3G nos planos pré-pago, Vivo Controle e pós-pago. A realização do pagamento era feita via SMS.

Em 2011 foi a vez do lançamento de novos serviços. Vivo Fixo, serviço de voz e o Vivo Box,  integrando telefonia fixa, internet e Wi-Fi. O serviço começou a operar nas cidades de Porto Alegre, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Vitória.

Esses serviços já faziam parte da nova estratégia da Telefónica em utilizar comercialmente a Vivo para nomear alguns dos seus serviços. A linha fixa da Telefónica passou a se chamar Vivo Fixo, os serviços de banda larga Speedy e Ajato viraram Vivo Speedy. O Telefónica 15 virou Vivo 15. No segmento de TV por assinatura a Telefónica TV Digital passou a ser conhecida como Vivo TV. A Fibra Banda Larga e a Fibra TV mudaram, respectivamente, para Vivo Speedy Fibra e Vivo TV Fibra. 

Os movimentos da Vivo para oferecer o 4G começaram em 2012. A companhia arrematou o segundo lote do leilão por mais de R$ 1 bilhão, ficando com um dos melhores lotes, em termos de capacidade de cobertura. O primeiro aparelho vendido no Brasil compatível com a tecnologia foi o Razr HD, da Motorola. 


Em termos de fornecedores de equipamentos para infraestrutura 4G, a chinesa Huawei e a sueca Ericsson foram as escolhidas pela Vivo. Este ano também foi marcado pelo lançamento do novo datacenter Telefónica/Vivo, localizado em  Santana do Parnaíba (SP). Foram investidos R$ 400 milhões.



Assim como ocorre hoje com o 4.5G, que não é uma nova geração, trata-se apenas de um nome comercial para definir melhorias aplicadas na rede 4G, antes do lançamento do seu 4G, chamado de 4G Plus, a Vivo apostou no 3G+, uma rede HSPA+, que prometia entregar velocidades entre 3 Mbps e 7 Mbps.

O 4G Plus da Vivo foi lançado em 2013. Inicialmente o serviço foi oferecido em 7 capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza e Brasília.

Em 2015 foi aprovada mais uma aquisição de peso da Telefónica. A compra da GVT por 4,663 bilhões de euros. A GVT era controlada pela francesa Vivendi.


A aquisição fez com que o nome GVT sumisse do mercado em 2016. A Telefónica optou por reforçar ainda mais a marca Vivo. 

“Com isso, unem-se a marca que oferece a maior cobertura internet móvel com a que possui a melhor banda larga do Brasil. A que investe em tecnologia e inovação com aquela que oferece excelência em atendimento. A marca líder em velocidade e clientes 4G com a primeira a oferecer canais em HD a todos os clientes. Desde maio de 2015, as empresas já atuam para aumentar os padrões de qualidade, serviços e benefícios exclusivos aos clientes”, dizia o comunicado sobre a decisão de não usar mais o nome GVT.

Com o estardalhaço comercial que a Claro vem fazendo em torno do 4.5G, a Vivo teve que correr atrás do prejuízo. No início do ano passado foi assinado um acordo com a Huawei para a implantação da tecnologia, não só no Brasil mas em outras partes do mundo. Os primeiros lugares que receberam o 4.5G, ou 4.5G+, forma como a Vivo vende a tecnologia, foram Rio de Janeiro, Bogotá (Colòmbia), Monterrey (México). A expansão do serviço ocorreu com velocidade, conforme noticiamos aqui no Minha Operadora, até o fim de fevereiro de 2018 mais de 100 cidades no Brasil já estavam sendo atendidos pela tecnologia. 

Embora a Vivo tenha divulgado no fim de 2018 que fechou o ano com 4 mil municípios com cobertura 4G e 4.5G, a realidade não é bem essa, conforme explicamos aquios números foram inflados, já que na lista de cidades com 4.5G está incluso a maioria dos municípios, se não todos, que aparecem na lista de regiões com tecnologia 4G.


Passado 16 anos a Vivo se mantém como a principal operadora de telefonia móvel do Brasil. São mais de 70 milhões de clientes! Nos próximos anos a companhia seguirá em expansão. Até 2020 serão investidos R$ 10 bilhões no Brasil. O foco dessa expansão será em torno da nova geração de conexão móvel, o 5G, e é claro, no tão disputado mercado de banda por fibra ótica (FFTH).

William Plazahttps://www.minhaoperadora.com.br
Levamos informação de qualidade sobre o setor de telefonia fixa, móvel, internet banda larga e televisão por assinatura para os milhões de brasileiros que a cada dia estão se conectando cada vez mais.
CONTEUDO RELACIONADO

17 COMENTÁRIOS

Acompanhar esta matéria
Notificação de
17 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários

MAIS POPULARES