Justiça determina que Claro não cobre por serviços não solicitados

Para cada evento de descumprimento da decisão judicial a Claro terá que pagar R$ 300. 

De acordo com o Correio do Estado o Ministério de Mato Grosso do Sul obteve uma vitória perante a Claro na Justiça. Ficou determinado que a operadora pare de efetuar desconto de créditos (celular pré-pago) ou cobrança em fatura de conta telefônica (celular pós-pago) por serviços de valores adicionados que não foram contratados por seus clientes.
“Devido ao fato de o juízo da 1ª Vara de Direito Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande ter indeferido pedido de tutela provisória de urgência, foi interposto recurso de agravo de instrumento e a 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de MS deu provimento ao reclamo, impondo à empresa fornecedora obrigação de cessar com sua conduta contrária ao direito”, explica a reportagem.


Para cada evento de descumprimento da decisão judicial a Claro terá que pagar R$ 300. O valor será destinado ao Fundo Estadual de Defesa dos Direitos do Consumidor.

VIU ISSO?

“Importante se faz a participação dos consumidores em comunicar ao MP os casos de não observância da decisão judicial, que se limita à empresa Claro S.A.”, diz texto divulgado pela assessoria da Promotoria.
A Ação Coletiva de Consumo segue seu trâmite normal e caso novas irregularidades sejam encontradas podem ser considerados para ampliar o valor da multa.



About William Plaza
Levamos informação de qualidade sobre o setor de telefonia fixa, móvel, internet banda larga e televisão por assinatura para os milhões de brasileiros que a cada dia estão se conectando cada vez mais.

2 Comentários

  1. Já pagamos caro nessas porcarias de planos, e ainda querem roubar mais.
    Tá parecendo os políticos Brasileiros.

    Misericórdia.
    Kkkkkk

  2. Se fosse contra a tim, teriam que vender a operadora pra pagar a decisão

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.


*