sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Que tipo de ‘dependente’ de smartphone é você?

O que você achou? 
Segundo estudo da Motorola, mais de 40% dos brasileiros são dependentes de celulares; ainda há os telesapien, teleconscientes, teléfilos e telefanáticos.



Você usa o celular de manhã, antes de dormir e, sempre que pode, mexe no smartphone em seu tempo livre? Então talvez você seja um teledependente, um dos perfis estabelecidos pela Motorola em sua campanha “Phone Life Balance”.

Em uma pesquisa realizada com 20 mil pessoas, a Motorola, empresa que criou o primeiro celular há 45 anos atrás, constatou que 41,52% dos participantes se enquadram justamente nessa característica, de totalmente dependentes do celular. E quanto aos outros?




Bem, 32% foram considerados teleconscientes, que significa que utilizam o celular de uma forma equilibrada. Outros 19% são teléfilos, ou seja, pegam o smartphone na mão a todo o momento, geralmente para ver a hora ou algo simples, mas acabam se distraindo em outras situações automáticas de uso no celular.

Apenas 5,56% dos entrevistados se encaixam no chamado telesapien, que é quando a pessoa utiliza o celular apenas para o básico, que seria ver a hora e fazer ligações, por exemplo. Mensagens de texto, WhatsApp? Quem se enquadra nesse perfil não liga a mínima para isso, nem mesmo em publicar algo em suas redes sociais. Só não deixa de utilizar o smartphone porque entende que a mobilidade pode facilitar o seu dia a dia de alguma forma.

Mas ainda há uma categoria extrema, que só foi “diagnosticada” em 1,5% dos pesquisados: os telefanáticos. Esses seriam aqueles que nunca ficam sem o celular e, caso aconteça, acabam sentindo-se vulneráveis e estressados.

LEIA TAMBÉM:

Reveja as categorias destacadas pela Motorola e reflita: que tipo de dependente de smartphone é você?

  1. Telesapien: usa o celular para o básico. Não gosta de enviar mensagens de texto e nem publicar em redes sociais;
  2. Teleconsciente: tem equilíbrio no uso do celular. Aproveita relacionamentos e sua vida fora do smartphone, e estabelece horas específicas para usá-lo;
  3. Teléfilo: não resiste ao celular. Usa mesmo em momentos de descanso, só porque está ali, e sente ansiedade quando a bateria chega a menos de 10%;
  4. Teledependente: nunca deixa de usar o celular, mesmo quando sabe que é uma “regra” não usá-lo – seja em uma sala de aula, em uma reunião ou enquanto conversa com os amigos;
  5. Telefanático: nunca fica sem o celular – é a primeira coisa que faz pela manhã e a última à noite. Com frequência, se pega olhando para o smartphone sem nem saber o porquê, e prefere as mensagens de texto a falar pessoalmente com alguém, o que chega a atrapalhar o relacionamento com amigos e familiares.

A pesquisa da Motorola, que analisou o comportamento dos usuários com base em respostas de 10 questões on-line, sendo 63% homens e 70% entre 10 e 29 anos, ainda constatou algumas outras curiosidades:

  • 77% dos entrevistados usaram o celular para responder a pesquisa;
  • 76% dizem checar o celular antes de sair da cama;
  • 65% sentem pânico ao pensar que perderam o celular;
  • 44% olham o celular quando seus amigos o fazem;
  • 41% ignoram uma mensagem quando chega, se estão conversando com alguém;
  • 36,8% jantam com a tela do celular virada para a cima;
  • 30,2% levam o celular ao banheiro em 100% das vezes;
  • 27,7% mantêm o smartphone ao seu alcance 24 horas por dia.


Um comentário:

  1. Todo lugar que você nada, as pessoas estão com a cara n celular, a convivência física se perdeu faz muito tempo, por isso muitos estão mais solitários e com depressão.

    ResponderExcluir